A UEFA defende uma reformulação da regra do fora de jogo, após o polémico golo de Kylian Mbappé que, no domingo, deu a vitória à França diante da Espanha (2-1), na final da Liga das Nações de futebol.

Apesar da polémica, num lance em que Mbappé está adiantado e a posição de fora de jogo só não é considerada devido à tentativa de corte, com um toque subtil de Eric Garcia, as leis de jogo dão razão ao árbitro inglês Anthony Taylor.

“Tomou uma decisão correta, baseada na regra existente e na interpretação oficial”, considerou esta sexta-feira o responsável da arbitragem na UEFA, Roberto Rosetti, mas admitindo que a regra é contrária ao “espírito do jogo”.

Rosetti adiantou que já entrou em contacto com a FIFA e com o IFAB e que está prevista a discussão de alternativas na próxima reunião do órgão regulador das leis do jogo, agendada para 27 de outubro.

Em Milão, a vitória gaulesa começou com um Arco do Triunfo (a crónica do Espanha-França)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A posição da UEFA é de que é possível melhorar a formulação da regra”, que indica que um jogador não está fora de jogo se receber a bola deliberadamente jogada por um adversário, para adequá-la ao objetivo da lei sobre o fora de jogo e dentro daquele que é o espírito do jogo, observou Rosetti.

Espanhóis reclamam do golo francês na final da Liga das Nações, mas Pedro Henriques explica: “Não se considera que o jogador tira vantagem”