Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois do adiamento em 2020, devido à pandemia, a feira “Grandes Escolhas – Vinhos & Sabores” regressa este fim de semana, com arranque marcado para sábado a partir das 15h. Após meses com o vinho limitado e entregue às experiências digitais, o evento presencial volta a trazer centenas de produtores e de vinhos para experimentar a copo.

Ao contrário das edições anteriores, o evento foi organizado num curto espaço de tempo. Luís Lopes, diretor da revista “Grandes Escolhas” (que este ano se aliou ao jornal Público para a componente gastronómica), explica que há cerca de cinco meses ainda não era claro se a feira podia ou não avançar. “Só conseguimos pegar no evento em agosto e a resposta que tivemos confirma essa ânsia de que isto se realize.” Não cabe “nem mais um stand”, assegura.

Em 2020 não haver eventos de vinhos foi muito dramático para todos: para os produtores que não puderam apresentar os vinhos, para as empresas organizadoras de eventos e para os consumidores privados deste contacto”, diz.

O regresso das feiras de vinho assinala também o regresso de um dos fatores primordiais nestes eventos: o contacto do público com quem faz o vinho. “Quem gostar da Quinta das Bágeiras, está lá o Mário Sérgio, quem gostar dos [vinhos] Pintas ou Guru está lá o Jorge [Serôdio Borges] e a Sandra [Tavares da Silva].”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Cada produtor terá sete a oito vinhos, em média, em prova, sendo que o evento tem quatro vertentes: a feira propriamente dita, com os 300 produtores espalhados por uma “infinidade de stands”; um espaço próprio dedicado às provas comentadas (ei-los, os moscatéis da Bacalhôa, o alentejano e já clássico Mouchão e antiga casa de vinho do Porto, Kopke); o espaço “Prove Connosco”, no centro do recinto, onde vários produtores terão 20 minutos para, de forma informal, apresentar dois vinhos; e toda a área de gastronomia, incluindo apresentações ao vivo.

O evento acontece nos dias 16 e 17 de outubro, entre as 15h e as 21h (segunda-feira está reservada aos profissionais do sector, cuja entrada é gratuita), no Pavilhão 4 da FIL – Feira Internacional de Lisboa, no Parque das Nações. O bilhete custa 15 euros por dia ou 20 euros para os dois dias, sempre com oferta do copo, e a entrada é possível mediante três hipóteses: confirmação de certificado digital, de prova de vacinação ou realização de um teste antigénio no local com suporte de uma equipa de enfermagem.