Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Isto é inaceitável”. É esta a descrição que acompanha o vídeo publicado no Twitter da Federação Internacional das Associações de Futebol Profissional (FIFPRO), na passada quinta-feira. Nele vê-se a seleção feminina sub-20 da República Democrática do Congo a treinar na rua, numa estrada de terra batida, onde passam carros e motas. Num dado momento, o exercício é interrompido, quando uma carrinha amarela cruza a estrada entre as jogadoras.

Por sua vez, a Federação Congolesa de Futebol, em resposta ao tweet, refere que é “chocante ver o vídeo fora de contexto”. Esclarece que as jogadoras começaram a chutar a bola enquanto esperavam, no local onde estavam hospedadas, pelo autocarro que as levaria para o treino. Dúvidas levantam-se a estas declarações ao observar cones a sinalizar posições e o treinador a dar ordens, parecendo mesmo tratar-se de um treino.

A FIFPRO acusa a FECOFA de não reservar um campo a tempo. O exercício realizava-se antes de uma eliminatória da Copa do Mundo Sub-20 contra os Camarões, na qual as congolesas viriam a perdeu 4 a 0 em casa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com a circulação das imagens pelas redes sociais, a FIFA, órgão que governa o futebol mundial, pronunciou-se num comunicado enviado à CNN, afirmando que está “profundamente preocupada”.

O bem-estar das jogadoras é uma das principais prioridades da FIFA e nós tomamos medidas imediatas com as autoridades do país, incluindo a FECOFA [Federação Congolesa de Futebol], para garantir a segurança e o bem-estar de todas as jogadoras envolvidas

Segundos à frente no vídeo, a situação piora: são exibidas imagens das jogadoras a dormirem ao relento, deitadas no chão, apenas com os seus agasalhos e mochilas.

O sucedido terá ocorrido porque a FECOPA não pagou a estadia da seleção sub-20 feminina à unidade hoteleira que recebeu a equipa e esta viu-se forçada a dormir na rua, em Kinshasa, capital do país. A CNN dirigiu vários pedidos de comentário ao respetivo organismo, mas não obteve resposta. Também a Confederação Africana de Futebol (CAF), questionada sobre o assunto, encaminhou a CNN para a FECOFA e para a FIFA.

“O sindicato dos jogadores congoleses está em contacto com as jogadoras. Elas estão bem e de volta às suas casas, desapontadas com o tratamento terrível que receberam da federação nacional“, revela a FIFPRO.

A Copa do Mundo Sub-20 feminina acontece na Costa Rica no próximo ano.