Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A ronda de negociações de António Costa com os partidos continua e da reunião com o PAN saiu uma nova exigência. O partido liderado por Inês Sousa Real disse esta quarta-feira que só viabilizará o Orçamento na primeira votação, agendada para a próxima semana, se o Governo aceitar assinar um “memorando de entendimento” que fixe já compromissos para a fase seguinte, a da especialidade.

No Parlamento, em declarações aos jornalistas, Sousa Real fez o ponto de situação: o PAN ainda não tem sentido de voto definido — ainda precisará, aliás, de reunir os deputados e a Comissão Política para discutir isso — mas pede “mais ambição e comprometimento do Governo”.

Da declaração de Sousa Real ficou claro que o PAN, cuja “responsabilidade” frisou várias vezes, quer ver as medidas definidas e postas por escrito: “Normas programáticas não alimentam os portugueses. É fundamental um compromisso que traga estabilidade ao longo do ano e que o Orçamento fique calendarizado”.

A deputada confirmou ainda que há novas reuniões agendadas, a nível setorial, durante o resto da semana, e que o partido espera agora para saber se o Governo dará “resposta” às propostas que o partido deixou em cima da mesa. A saber, o investimento na Saúde (incluindo as carreiras dos técnicos auxiliares), reforço dos transportes públicos, o estatuto do trabalhador da Cultura, entre outras medidas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em todos estes casos, o partido quer tirar a limpo, ao longo desta semana, a abertura do Governo para “aprofundar e trabalhar o Orçamento na especialidade”.

Já o PEV assegura que, também depois de reunião com António Costa, “não há novidades”. Numa resposta enviada ao Observador, fonte do partido contou que o partido “entregou ao primeiro-ministro um conjunto de propostas que o Governo ficou de analisar e de se pronunciar”. E para já não garante se as negociações continuarão: “Aguardamos para aferir da necessidade de nova reunião ou não”.

Tanto para PAN como para PEV — que no ano passado foram essenciais para viabilizar o Orçamento, uma vez que os votos do PCP não seriam suficientes — o desenrolar da semana deverá ser decisivo.

Texto atualizado com as respostas do PEV.