Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Vá-se habituando à ideia: a Xiaomi, a conhecida empresa chinesa que se tornou popular graças aos telemóveis, vai colocar no mercado os seus próprios carros eléctricos, o que está previsto acontecer já em 2024, conforme anunciou o CEO da Xiaomi, Lei Jun.

A revelação decorreu no âmbito do “Dia do Investidor” promovido pela corporação, que se realizou a 19 de Outubro, tendo aí ficado bem patente que a visão de futuro da empresa passa pelo alargamento do negócio à área da mobilidade. Lei Jun fez mesmo questão de frisar, perante os altos quadros da administração, que o lançamento de um veículo eléctrico que seja simultaneamente eficiente e ofereça uma autonomia acima da média é de vital importância para alicerçar a estratégia da empresa neste outro ramo de actividade, onde também a Apple e a Huawei pretendem dar cartas. Isto embora o iCar continue a ser um projecto envolto em mistério, “transpirando” apenas cá para fora as movimentações do gigante norte-americano, no sentido de assegurar a produção junto de um construtor tradicional (a Toyota foi o último nome a surgir na praça pública, depois da Hyundai/Kia e Nissan). Já a Huawei tem, desde Abril, o SF5 à venda na China, um crossover PHEV fabricado pela companhia norte-americana Seres, sediada na Califórnia.

Na realidade, a incursão da Xiaomi pelos automóveis começou há dois anos, com o lançamento de uma customização com base no também chinês Bestume T77. Em Março deste ano, a gigante oriental tornou oficial a sua pretensão de entrar no negócio dos carros a bateria, tendo inclusivamente já registado o nome da sua divisão de veículos eléctricos. A Xiaomi EV Company Limited arrancou com um capital de 1,5 mil milhões de dólares, mas a companhia de Pequim está disposta a investir muito mais. O que foi anunciado é que, num horizonte de 10 anos, o projecto eléctrico vai receber pelo menos 10.000 milhões de dólares. O registo comercial ficou concluído no dia 1 de Setembro, tendo a Xiaomi Auto recebido mais de 20.000 currículos, dos quais triou mais de 450 só para se concentrarem na área de Pesquisa e Desenvolvimento.

Dos telemóveis para os carros. Xiaomi lança SUV

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A intenção dos chineses é propor, já dentro de pouco mais de dois anos, um modelo 100% eléctrico com design e tecnologia próprios, cuja produção em massa deverá arrancar na primeira metade de 2024. Tudo indica que a entrada da Xiaomi no mercado dos veículos eléctricos visará, de imediato, concorrer directamente com o Tesla Model 3 ou o Model Y, na medida em que o CEO Lei Jun adiantou que a estreia se fará com uma berlina ou um SUV.

Mas, seja qual for a carroçaria, será de esperar mais do que um veículo “a pilhas”, pois o objectivo dos chineses é agitar a oferta com um modelo “inteligente”. E foi nesse sentido que, recentemente, a Xiaomi adquiriu uma empresa que desenvolve tecnologias de condução autónoma, a Deepmotion Tech.

De resto, Lei Jun também já deixou bem claro que, após o lançamento do primeiro Xiaomi eléctrico, os lançamentos deverão suceder-se a bom ritmo, o que significa que a tecnológica de Pequim estará apostada em oferecer rapidamente uma gama alargada. Rumores sugerem que o plano passa por lançar um novo modelo a cada ano, após 2024, com a meta de atingir um volume de vendas de 900.000 veículos nos três anos seguintes.

Sabe-se ainda que, numa primeira fase, a produção ficará a cargo da Great Wall Motors e que, justamente para acelerar a chegada do seu primeiro carro eléctrico, a Xiaomi se encontra, alegadamente, a negociar com a francesa Faurecia, fornecedora de componentes para a indústria automóvel.