O Governo chinês doou esta quinta-feira produtos alimentares avaliados em cerca de 20 milhões de meticais (269 mil euros) para os deslocados da violência armada em Cabo Delgado, no norte de Moçambique, e prometeu apoiar a reconstrução.

“A parte chinesa está disposta a participar no desenvolvimento integrado do norte e a encorajar a participação ativa das empresas chinesas na construção de infraestruturas“, disse Wang Hejum, embaixador da China em Moçambique, durante a cerimónia de entrega do donativo.

Para o Governo moçambicano, a doação vai “aliviar significativamente o sofrimento” da população deslocada devido aos ataques de grupos insurgentes naquela província, além de comprovar “a solidez e vitalidade das relações de cooperação” entre os dois países.

O donativo terá um impacto profundo no seio dos nossos cidadãos que dia após dia se deparam com a árdua realidade de procurar meios alternativos de sobrevivência”, referiu Manuel Gonçalves, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Entre os produtos, adquiridos no mercado local, foram entregues 200 toneladas de arroz, 300 toneladas de farinha de milho e 24 mil litros de óleo de cozinha.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Human Rights Watch apela ao fim imediato do uso de crianças-soldado em Moçambique

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.