Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Marcelo Rebelo de Sousa não intervém mais enquanto os partidos não terminarem as negociações, mas não se quer afastar muito tempo. Esta quinta-feira segue num voo comercial para Londres para ir ver a exposição de Paula Rego, mas quer vir rápido para Portugal, que está à beira de uma crise política. “Amanhã já cá estou“, apressa-se a dizer. Para o Presidente tudo se vai decidir nos próximos dias: “[Tenho] a consciência de que estes dias até ao fim da semana são muito importantes, uma vez que a votação é já na próxima semana e depois há reuniões partidárias como há sempre ao fim-de-semana”.

Depois de admitir o cenário de eleições antecipadas, Marcelo não quer alongar-se mais em cenários: “Continuo a esperar nestes próximos dias aquilo que aconteça no diálogo entre partidos e partidos e Governo”. Até porque prefere um deles: “Continuo a desejar e a esperar que haja uma possibilidade do Orçamento passar”. Apesar da insistência recusa-se a falar mais sobre o pós-26 de outubro: “Funciono na base do cenário de que não há chumbo do Orçamento. Não estou a funcionar, mesmo que especulativamente, na base de outro cenário.”

Marcelo adianta ainda que vai “manter o mesmo desejo e a mesma expectativa até ver os dados deste diálogo em curso entre partidos políticos fora do Parlamento ou no quadro do Parlamento.” O chefe de Estado diz que já não voltou a falar diretamente com os partidos a partir do momento em que os recebeu em Belém na última sexta-feira.Eu vou a Londres hoje, para estar lá amanhã a visitar a exposição. Amanhã já cá estou ao início da tarde.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR