Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A justiça britânica acusou esta quinta-feira formalmente Ali Harbi Ali de ter esfaqueado na passada sexta-feira o deputado britânico David Amess, que acabou por morrer na sequência dos ferimentos. Ao que tudo indica, o assassinato terá tido uma “conexão terrorista”, avança o The Guardian, com motivos “religiosos e ideológicos”.

Ali Harbi Ali foi ainda acusado de planear outros dois ataques terroristas. As autoridades suspeitam ainda de que o cidadão de origem somali originário do norte de Londres queria assassinar mais dois deputados. No entanto, por agora, a polícia recusou dar qualquer pormenor sobre a motivação concreta que levou ao assassinato do deputado conservador David Amess.

Para levar a cabo o ataque desta sexta-feira e alegados futuros atentados, o jovem terá visitado o Palácio de Westminster e terá estado presente num encontro de eleitores com outro deputado, ao que apurou a polícia britânica, segundo a BBC, que também acrescenta que a preparação demorou mais de dois anos.

Com 25 anos, Ali Harbi Ali nasceu no Reino Unido, filho de pais somalis que fugiram da guerra que enfrentava o país africano. Harbi Ali Kullane, o pai do jovem, chegou ao trabalhar para o governo da Somália, exercendo o cargo de assessor de imprensa do primeiro-ministro. Após o assassinato que terá sido levado a cabo pelo filho, Harbi Ali Kullane esclareceu, segundo a Sky News, que “não teve a ver” com o crime e que também não esteve relacionado com o seu “trabalho no governo somali”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de a família ser muçulmana, os pais decidiram inscrever Ali Harbi Ali e os seus três irmãos numa escola primária de orientação cristã. Um dos professores que deu aulas ao jovem contou à Sky News que este era “um bom rapaz, educado, amigável” e que “era bom a matemática”, embora não sendo um aluno brilhante. “Eu nunca teria dito que ele não iria ter um futuro positivo. Não era uma criança isolada e envolvia-se com os colegas.”

Ali Harbi Ali frequentava ainda a escola primária quando os seus pais se divorciaram, sendo que o pai voltou para a Somália. Sobre este, o mesmo docente disse que era um “homem amoroso e simpático”. Mesmo depois de os filhos saírem da escola, visitava com regularidade a escola cristã quando ia a Inglaterra, confidenciando aos professores que “estava muito orgulhoso” do percurso do filho.

E tinha motivos para isso. Ali Harbi Ali tornou-se um excelente aluno na escola secundária, tendo tirado praticamente a nota máxima em todas as disciplinas. Foi depois para a universidade, deixando de viver na casa dos pais em Kentish Town.

Nesta localidade, os antigos vizinhos de Ali Harbi Ali ficaram chocados com a notícia. “Eles eram realmente uma família simpática”, conta um vizinho; outro lembra que os quatro irmãos eram “estudantes muito diligentes” e que Ali “jogava à bola na rua”.

O passado mais recente de Ali Harbi Ali ainda é em grande parte uma incógnita. Sabe-se apenas que viveu em três locais diferentes desde que entrou na universidade e ter-se-á “autorradicalizado”. De acordo com o The Independent, que cita fontes judiciais, foram encontrados alguns materiais suspeitos no computador e nas redes sociais do jovem de 25 anos. E chegou mesmo a entrar em contacto com alguns grupos terroristas estrangeiros.

Ali Harbi Ali foi de comboio até Leigh-on-Sea

O que já é claro para as autoridades é a maneira como foi preparado o ataque. Na passada sexta-feira, Ali Harbi Ali apanhou um comboio desde Kentish Town, no norte de Londres, até Leigh-on-Sea.

Tendo em conta que às sexta-feira os deputados britânicos contactam diretamente com os eleitores dos círculos pelos quais são eleitos, não fazia sentido um encontro entre David Amess e Ali Harbi Ali, devido a residirem em cidades diferentes que distam a 77 quilómetros uma da outra. Porém, o jovem inventou a desculpa de que queria encontrar com o deputado porque se queria mudar para Leigh-on-Sea.

Jo Cox, Stephen Timms e Andrew Pennington: três deputados que também acabaram esfaqueados em encontros com eleitores

Uma semana antes, de acordo com o avançado pelo The Telegraph fonte próxima de David Amess, Ali Harbi Ali  “contactou o escritório do deputado para fazer uma marcação para o ver durante o encontro de sexta-feira [dia 15]”. Apesar de as sessões serem reservadas para os eleitores de cada localidade, neste caso abriu-se uma exceção porque supostamente o jovem tencionava “mudar-se para a área” e porque tencionava “discutir vários assuntos relacionados com o sistema de saúde”.

Foi este contexto que Ali Harbi Ali terá aproveitado para, na manhã da passada sexta-feira, esfaquear o deputado vários vezes na Igreja Metodista de Belfairs, onde teve lugar o encontro. O jovem pôs-se depois em fuga, mas foi depois encontrado, bem como a arma que havia utilizado. Ficou em prisão preventiva e aguarda agora julgamento.