A novela gráfica “Balada para Sophie”, de Filipe Melo e Juan Cavia, venceu o prémio de melhor banda desenhada de autor português do festival AmadoraBD, anunciou o júri.

O festival anunciou este domingo os vencedores dos prémios anuais de banda desenhada, reformulados e reajustados a apenas cinco categorias, e que reconhecem a produção de banda desenhada portuguesa e editada em Portugal.

Este ano, pela primeira vez, há um prémio monetário de cinco mil euros na categoria de melhor BD de autor português, tendo o júri decidido atribuí-lo a “Balada para Sophie”.

Monstros, deuses e nós em “Balada Para Sophie”

Editada em 2020 pela Tinta-da-China e reeditada este ano pela Companhia das Letras, a novela gráfica volta a juntar o argumentista português Filipe Melo e o desenhador argentino Juan Cavia e tem como ponto de partida a rivalidade entre dois pianistas franceses, que nos anos 1930 competem num concurso de jovens talentos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A história é contada na perspetiva de um dos pianistas, Julien Dubois, que, sabendo-se no fim de vida, procura redimir-se do passado numa longa entrevista com uma jornalista.

O júri da 32.ª edição do AmadoraBD atribuiu ainda o prémio revelação a Ricardo Santo, pela obra “Planeta Psicose”, editado pela Escorpião Azul. O prémio de melhor fanzine ou publicação independente foi para Joana Afonso, com “Bestiário de Isa”, em edição de autora.

Nesta categoria, a obra “Bottoms Up”, de Rodolfo Mariano, foi retirada da lista de nomeados por decisão do autor e da editora Chili Com Carne, explicou fonte da organização à agência Lusa.

A editora portuguesa A Seita é reconhecida com o prémio de melhor edição portuguesa de banda desenhada com o livro “Procura-se Lucky Luke”, de Mathieu Bonhomme.

O júri do AmadoraBD considerou ainda que a melhor obra estrangeira de BD publicada em Portugal nos últimos meses foi “Burlão nas Índias”, de Alain Ayroles e Juanjo Guarnido, editada pela Ala dos Livros.

Este ano, o júri dos prémios integrou Pedro Cleto (em representação da autarquia), Carlos Moreno (Clube Português de Banda Desenhada) e Daniel Lima (Escola Ar.Co).

O festival AmadoraBD, que começou no dia 21, volta a ser presencial, com a novidade de que o núcleo central passa do Fórum Luís de Camões para o Ski Skate Amadora Park, contando ainda com a Bedeteca da Amadora e a Galeria Municipal Artur Boal como espaços complementares. O festival AmadoraBD, que é uma iniciativa da câmara municipal da Amadora, decorrerá até 1 de novembro.