Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O primeiro francês campeão do mundo do Moto GP e apenas aos 22 anos. Fabio Quartararo chegou este domingo ao cimo da categoria rainha de motociclismo no circuito Marco Simoncelli, em Misano, Itália, ao terminar no 4.º lugar uma corrida vencida pelo espanhol Marc Márquez. Após os festejos de Quartararo, conhecido também por El Diablo, o francês foi entrevistado e, a chorar ao mesmo tempo que sorria, não conseguiu dizer muito: “Ainda não acredito. Estou a viver um sonho e ter aqui a minha família comigo… Vamos aproveitar esta noite e até ao fim da época”.

O novo campeão do mundo de Moto GP começou a correr muito cedo, logo aos quatro anos, crescendo depois para a modalidade nos circuitos espanhóis, sendo campeão nacional em 70cc, 80cc e 125cc. Depois de em 2013 ganhar o FIM CEV Repsol Moto3 em 2013 e 2014, chegou mesmo ao mundial de Moto3. No entanto, as regras tiveram de ser mudadas para acomodar o francês. Isto porque os pilotos apenas podiam entrar no mundial aos 16 anos e Quartararo acabou por entrar com 15 na equipa Estrella Galicia 0.0 Honda Team.

Como um golpe de teatro pode mudar o filme todo: Oliveira teve pódio na mão mas caiu, Quartararo é campeão graças a queda de Bagnaia

El Diablo foi mesmo fogo na categoria e logo à segunda corrida já chegava ao pódio, alcançando mais um em Assen e duas pole-positions, em Jerez e Le Mans. No entanto, uma lesão no tornozelo interrompeu a segunda parte do mundial. No ano seguinte, Quartararo saltou para Leopard Racing Team (motas KTM), chegando a Moto2 em 2017, na equipa Paginas Amarillas HP40. A segunda temporada já foi pela equipa Speed Up, alcançando a primeira temporada num país que bem conhecia, Espanha, ao ganhar (depois da pole) em Barcelona.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O salto para a categoria rainha de Moto GP foi algo surpreendente mas em 2019 os números do eleito rookie (estreante) do ano são bons e surpreendentes para ano de estreia: sete pódios, quinto no campeonato e 192 pontos. Após esta grande época, a Yamaha colocou-lhe uma M1 nas mãos, fazendo parte da equipa oficial, e o sucesso continuou em 2020, começando a época com duas vitórias. No entanto, uma pior forma na segunda parte do campeonato, quando lutava pelos primeiros lugares, valeu-lhe “apenas” o oitavo lugar no mundial de pilotos.

Havia questões e expectativas para esta temporada de 2021 e El Diablo Fabio Quartararo respondeu da melhor forma possível, chegando este domingo ao título mundial com justiça e depois de um grande ano.