O Chega anunciou este domingo que solicitou a audição urgente no parlamento do ministro da Administração Interna e do diretor nacional da Polícia Judiciária para esclarecimentos sobre o alegado crescimento da criminalidade violenta em Lisboa.

“Por muito que o ministro da Administração Interna e as forças de segurança tenham indicações para disfarçar o clima de terror instalado, os casos começam a ser demasiados e de violência tal que causam elevado alarme social”, refere o pedido do deputado André Ventura dirigido ao presidente da comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Redes sociais e escalada de violência: ainda sem números, polícias estão atentas aos crimes e tipos de armas usadas após fim de restrições

Segundo o presidente do Chega, a “audição urgente” de Eduardo Cabrita e de Luís Neves justifica-se a “propósito dos recentes acontecimentos envolvendo gangues de várias origens, sobretudo na área metropolitana de Lisboa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“As autoridades estão particularmente alarmadas com o tráfico de armas e realçaram o facto de nos últimos tempos terem sido apreendidas muito mais armas de fogo do que era usual no passado em ações de revista ou rusgas efetuadas na zona da Grande Lisboa”, refere o Chega.