Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O atual presidente do PSD, Rui Rio, já definiu quem vai integrar a sua direção de campanha, tendo tido uma preocupação de escolher figuras que conhecem bem o aparelho social-democrata. Além de Salvador Malheiro, que já se sabia ser o diretor de campanha, a equipa conta com o atual secretário-geral adjunto (que também tinha ocupado esse cargo com Passos Coelho, de quem foi adjunto no Governo) e antigo diretor de campanha de Santana Lopes, João Montenegro.

João Montenegro já tinha sido o responsável por organizar a volta do líder nas autárquicas e é um grande conhecedor da estrutura de campanha. Nas diretas de 2020, também ao lado de Salvador Malheiro, ajudou Rui Rio a ser reeleito presidente do PSD.

Antes de se juntar a Rio, João Montenegro esteve do lado oposto da barricada. Durante os anos de Passos Coelho era o “homem do terreno”, que preparava as ações pelo país. Foi ele também em parte um dos grandes responsáveis da campanha da PàF em 2015. Em 2018, alinhou no lado oposto ao de Rio e foi o diretor de campanha da candidatura de Pedro Santana Lopes à liderança do PSD.

Da equipa de Salvador Malheiro vai também fazer parte Vítor Moreira, presidente da assembleia de secção do PSD de Vila Nova de Famalicão, que é uma tentativa de Rio em furar numa concelhia que, por norma, vota contra si. O presidente da autarquia estará do lado de Rangel e o antigo vice-presidente, Paulo Cunha, diz que se vai manter neutro. A aposta num homem de Famalicão não será inocente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na mesma equipa está Rui Rufino, da distrital do PSD de Santarém, que estava em número quatro da polémica lista da distrital de Santarém à Assembleia da República em 2019 e que a direção nacional acabou por alterar a ordem e colocou Duarte Marques em lugar elegível. Isso levou até a uma discussão acesa na sede nacional entre o presidente da câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, e o vice-presidente Nuno Morais Sarmento.

Hugo Carvalho, que foi cabeça de lista pela distrital do Porto, e antigo presidente do Conselho Nacional de Juventude, será o nome forte de Rio para conseguir chegar junto de algumas estruturas da JSD.