Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há muito que Ronald Koeman não vive tempos fáceis no Barcelona e a derrota do passado domingo, em pleno Camp Nou, frente ao eterno rival Real Madrid (1-2), tornou-se apenas mais um detalhe na já existente crise blaugrana. O técnico neerlandês já trocou galhardetes com o próprio presidente Joan Laporta nos media, entretanto fizeram as pazes, supostamente, e até já leu um comunicado numa conferência de imprensa em vez de responder a perguntas. Agora, Koeman teve dificuldades… Para sair das imediações do Camp Nou.

Num vídeo divulgado nas redes sociais é possível ver muitos adeptos a rodearem o carro de Koeman, a baterem na viatura e até a colocarem-se à frente da mesma, naquele que foi um momento de grande tensão à qual o clube não passou indiferente: “O Barcelona condena publicamente as ações violentas e de desprezo que o nosso treinador viveu à saída de Camp Nou. O clube vai tomar medidas de segurança e disciplinares para que acontecimentos tão infelizes não voltem a acontecer”.

A seguir ao encontro frente aos madrilenos, o treinador do Barcelona disse que a sua equipa “demonstrou não ser inferior ao Real Madrid”. “Acredito que estamos cada vez mais perto de ganhar a um grande rival. Estivemos bem na primeira parte, a controlar o jogo. Tivemos uma oportunidade muito clara para nos colocarmos à frente no marcador e logo sofremos o golo. Os detalhes influenciam muito. É totalmente diferente começar 1-0 do que 0-1″, comentou, admitindo que a equipa não esteve bem “na última fase da segunda parte”, mas que deu o seu “melhor até ao último minuto”. “O público aplaudiu-nos, mas eu percebo que as pessoas estejam frustradas”, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Barcelona não ganha ao Real Madrid desde 2 de março de 2019 (1-0 com golo de Rakitic) somando por derrotas os últimos quatro encontros contra os madrilenos, três dos quais com Ronald Koeman.

A nova era do Clássico já não tem extraterrestres mas tem um primeiro nome: David Alaba