Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois dos incêndios que atingiram (e continuam a atingir) sobretudo o norte do estado da Califórnia (nos Estados Unidos), as chuvas do fim de semana não foram a trégua esperada. Num estado, em que mais de 90% está sob seca severa, as cheias e deslizamentos de terra só agravaram os problemas das populações.

Uma chuva torrencial, ventos fortes e um “rio atmosférico” — uma grande coluna de humidade vinda do oceano Pacífico — atingiram o norte do estado, vindos de oeste, noticiou a CNBC. As condições, que já obrigaram à retirada de várias pessoas das suas casas, deverão manter-se até terça-feira à medida que a tempestade migra para sul.

O meteorologista Marc Chenard do Serviço Meteorológico Nacional descreveu a situação como um “ciclone bomba”, um evento climático intenso que ocorre quando a pressão cai rapidamente, noticiou a Reuters.

San Francisco, Santa Rosa e Sonoma reportaram cheias graves, localidades ficaram sem sacos de areia para travar a entrada das águas nas habitações e negócios, os rios (até agora praticamente secos) galgaram as margens, árvores e postes caíram e muitas pessoas ficaram ser eletricidades, noticiou o jornal The Guardian.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Numa região com uma área tão grande ardida, os riscos são ainda maiores: as águas escorrem mais rapidamente nas “cicatrizes” abertas pelo fogo e os detritos nesses terrenos são arrastados com a força das chuvas. As autoridades alertam as pessoas para não tentarem atravessar as áreas ardidas. Os deslizamentos de terras também levaram ao corte de estradas.