Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Marselha empatou no último domingo em casa frente ao eterno rival PSG no Le Classique, o jogo maior do futebol francês. O encontro não teve golos mas não deixou de ter incidências, dentro e fora do campo. Há que fazer a ressalva ao comportamento dos adeptos, que criaram um ambiente infernal no Vélodrome, não só para uma festa bonita, mas também para o menos positivo.

Neymar teve muitas dificuldades em marcar pontapés de canto devido à chuva de objetos provenientes da bancada do estádio do Marselha, tendo o brasileiro de ser muitas vezes protegido pelas autoridades, que escudavam o craque do PSG. E na segunda parte Messi viu um ataque ser-lhe roubado pela invasão de campo de um adepto que se dirigiu calmamente até ao argentino.

E se depois do empate a saída do estádio até foi relativamente ordeira, de acordo com os meios franceses, antes do jogo a coisa foi mais complicada, com centenas de adeptos a tentarem entrar no Vélodrome depois de as portas já estarem fechadas, obrigando à atuação da polícia que se viu obrigada, inclusivamente, a usar gás lacrimogéneo. De acordo com a BFMTV, os incidentes entre espectadores e autoridades deixaram nove polícias feridos, sendo que oito ficaram com hematomas e um comissário que, ao levar com uma pedra na cabeça, vai ficar ausente do seu trabalho durante mais ou menos uma semana. Do outro lado, foram 21 as detenções de adeptos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Le Classique entre Marselha e PSG foi rasgado mas bom… dentro de campo. Nas bancadas nem por isso

O Comité Disciplinar da Liga francesa de futebol (LFP – Ligue de Football Professionnel) reúne esta segunda-feira de urgência para avaliar incidentes noutro jogo do Campeonato francês, Saint-Étienne-Angers, mas vai também certamente analisar o que se passou no jogo entre Marselha e PSG. É importante recordar que o Marselha tem neste momento uma pena suspensa de dedução de um ponto, depois de também terem acontecido incidentes num encontro com o Angers, em setembro. Além disto, os adeptos marselheses estão proibidos de viajar até estádios adversários até 31 de dezembro deste ano. A LFP não deverá decidir para já, no entanto, visto querer ter todos os elementos de prova (vídeos, fotos, relatórios, etc.).

Também segundo a BFMTV, o campo de sanções ainda é amplo, porque para o tal ponto deduzido que está em pena suspensa ser retirado é preciso que os acontecimentos sejam “semelhantes” aos que aconteceram com o Angers, o que terá ainda de ser avaliado pelo comité da liga.

Quem se mostrou pouco satisfeito com o ocorrido foi mesmo o número 10 e capitão do Marselha, Dimitri Payer, que disse estar “desiludido” e não entender o que se passou, dado o risco de o clube “perder pontos”. “Obrigado ao público que incendiou as bancadas de forma positiva e foi exemplar, mas também vi garrafas, carregadores, isqueiros… Já vi alguns em mim, sei o que é. Algum deslize é um risco de perda de pontos. Não podemos dizer que estas pessoas gostam do clube. Estou desiludido e não entendo, até porque estamos a ser observados. Precisamos de sanções reais, não podemos esperar mais que alguém se magoe”, disse o internacional francês logo a seguir ao encontro.