Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um tribunal holandês ordenou esta terça-feira que uma histórica coleção de tesouros arqueológicos de ouro originária da Crimeia deve ser enviada para a Ucrânia, noticia a BBC. A decisão surge após uma exposição intitulada “Crimeia — o ouro e os segredos do Mar Negro” e que esteve, no início de 2014, no museu Allard Pierson, em Amesterdão, na capital dos Países Baixos. Moscovo e Kiev estavam em desacordo sobre o destino dos artefactos.

Em fevereiro de 2014, a Rússia invadiu a Crimeia e o leste da Ucrânia, o que fez com que o destino da coleção de tesouros ficasse em parte incerta, uma vez que foi emprestada ao museu holandês pelo ministro da cultura ucraniano, mas pertencia agora a um território administrado por forças russas. Face a este cenário, um tribunal de Amesterdão determinou, em 2016, que os tesouros deviam ser enviados para Kiev, mas o Kremlin recorreu da decisão a uma instância superior. 

A justiça holandesa decidiu agora a favor do governo ucraniano. O Presidente Volodymyr Zelensky saudou a decisão do tribunal, afirmando que o país vai “recuperar aquilo que era seu”. Já o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, escreveu na sua conta pessoal do Twitter que o “ouro volta para casa, para a Ucrânia”. 

A administração do museu ficou “satisfeita” por se ter chegado a um veredicto e pelo facto de o caso estar perto do fim. Porém, não teceu qualquer comentário sobre a deliberação do tribunal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por seu turno, o Kremlin ainda não comentou a decisão judicial, mas pode recorrer ao Supremo Tribunal dos Países Baixos. Em 2016, o ministro da cultura russo, Andrei Malgin, já tinha, no entanto, reagido à decisão do tribunal de Amesterdão, alegando que se as peças fossem para a Ucrânia seria “uma violação grosseira dos princípios das trocas internacionais entre museus“, acrescentando que violaria o direito “das pessoas da Crimeia a aceder à sua herança cultural”.

O coleção de tesouros, que inclui, entre outros, um capacete cerimonial de ouro datado do século IV a.C., inclui artefactos da época em que os povos que habitavam a Grécia colonizaram a Crimeia.