Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda na primeira parte, quando o Barcelona chegava ao último terço e tropeçava na sua própria forma errática de jogar, Ronald Koeman disfarçava a desilusão com sorrisos nervosos. Mais tarde, no segundo tempo e já a perder, quase não teve reação quando Depay ganhou e desperdiçou uma grande penalidade. Os resultados continuavam sem aparecer, a expressão do neerlandês é que mudara para uma resignação quase de quem assume que pouco ou nada pode fazer. Nem pode, nem vai após rescindir contrato.

Discussões, lesões, penáltis falhados e um Falcao a mostrar como o Barcelona é um tigre de papel (assim ganhou o Rayo Vallecano)

“O Barcelona destituiu esta noite Ronald Koeman como treinador da primeira equipa. O presidente do clube, Joan Laporta, fez essa comunicação depois da derrota com o Rayo Vallecano. Ronald Koeman vai despedir-se esta quinta-feira do plantel na Cidade Desportiva. O Barcelona quer agradecer os serviços prestados à entidade e deseja muita sorte na sua carreira profissional”, anunciou em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 13 jogos realizados esta temporada entre Liga espanhola e Champions, Koeman conseguiu apenas ganhar cinco vitórias com a particularidade de nunca ter ganho fora (dois empates, três derrotas e apenas um golo marcado contra sete sofridos). O Barcelona ocupa o nono lugar no Campeonato com 15 pontos em 30 possíveis, a seis das quatro equipas que lideram de forma partilhada: Real Madrid, Sevilha, Real Sociedad e Betis (que tem mais um jogo). Na Liga dos Campeões, os catalães estão na terceira posição com três pontos, fruto de uma vitória em três jogos, a um do Benfica e a seis do líder Bayern.

“Este Barça não é o Barça de há oito anos”. Koeman e os 54 cruzamentos que mostram a ruína de um clube e o fim da linha de um treinador

De recordar que já antes a possibilidade de Koeman foi levantada, com a questão financeira, e a cláusula de 12 milhões que teria de ser paga ao treinador, a surgir sempre como um possível entrave. Agora, com ou sem dinheiro, essa rescisão chegou. E o nome de quem mais se fala é o de Xavi, ex-médio e capitão dos catalães que está agora no Al Sadd. Marcelo Gallardo, treinador do River Plate, surge apontado como um plano B caso a prioridade de Laporta não se concretize. Para já, e de forma interna, Sergi Barjuán, antigo lateral esquerdo internacional espanhol do Barça que orienta a equipa B, deve assumir o cargo.

Reuniões de madrugada, Laporta no balneário (sem treinador) e a cláusula dos 12 milhões: como o tiki-taka se tornou um tic-tac para Koeman