Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os investigadores do caso das mortes de Gabby Petito e, mais tarde, de Brian Laundrie dizem tê-lo confundido com a mãe, enquanto vigiavam a casa da família na altura em que Gabby ainda era dada como desaparecida.

Os factos apurados até agora e que permanecem “incontestáveis” são que, depois de algumas semanas numa viagem com a namorada, Brian Laundrie voltou a casa sem ela, no dia 1 de setembro. A polícia disse que o tinha visto sair de casa no dia 13 num Ford Mustang que só voltou no dia 15.

As autoridades dizem agora que cometeram um erro ao identificar a pessoa que voltou a casa, que aparentemente seria a mãe de Brian, algo que vem agora mudar a reconstrução da história.

“Eles são fisicamente semelhantes”, disse o porta-voz da polícia citado pela CNN. “Pensávamos que tínhamos visto o Brian a regressar a casa.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As autoridades acreditavam que Brian tivesse ficado em casa nesses dois dias, mas os pais dizem que já não o viam desde 13 de setembro. Coincide com a versão da polícia, que viu alguém sair de casa nesse dia quando este disse que ia ao parque onde depois se veio a encontrar o seu corpo. Ainda assim, os pais diziam anteriormente que não viam o filho desde 14 de setembro e entretanto mudaram a sua versão, via advogado.

Relativamente ao condutor do carro, que voltou a casa no dia 15 de setembro, o porta-voz da polícia acredita que afinal seja a mãe, mas que tinha sido confundida com o filho por usar um chapéu.

“Se alguém pensa que o seu filho está desaparecido há dois dias, não vai simplesmente buscar o seu carro de volta para casa — na altura não fez sentido que alguém fosse fazer isso se ele não estivesse em casa. Portanto, nós pensámos que a pessoa com o chapéu era o Brian”, disse o porta-voz da polícia, citado pela CNN.

Por sua vez, o advogado da família respondeu às declarações da polícia, dizendo que “toda a gente comete erros, mas Brian e Roberta ‘não são fisicamente semelhantes’.”

“Além disso, foi a polícia que identificou o carro no parque e se tivessem visto Brian a sair de casa no carro, então deveriam tê-lo vigiado no parque e saberiam que os pais dele foram buscar o carro depois”, acrescentou o advogado também citado pelo canal televisivo norte-americano.

O corpo de Laundrie foi encontrado na passada quarta-feira num parque ambiental da Florida, algo que é confirmado pelos registos dentários. Até então, o principal suspeito da morte da namorada tinha estado desaparecido. O advogado disse que, “para ficar claro, os Laundries reportaram o desaparecimento do Brian na noite em que ele saiu para ir ao parque”.

FBI confirma que restos mortais encontrados em parque na Flórida são do namorado de Gabby Petito

Por sua vez, a autópsia de Petito revelou sinais de estrangulamento, algo que aumenta a possibilidade de a jovem ter morrido em contexto de violência doméstica.

Autópsia revela que causa da morte de Gabby Petito foi estrangulamento. Autoridades acreditam em contexto de “violência doméstica”

As autoridades acreditam que o período entre 1 a 13 de setembro, no qual Brian Laundrie voltou a casa sem Gabby Petito e em que depois saiu de casa e nunca mais regressou, seja crucial para apurar exatamente o que aconteceu ao jovem.