Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O número de casos de Covid-19 dispararam nas últimas duas semanas na Alemanha. O país passou de uma média de oito mil casos por semana no final de setembro para uma média de 16 mil infeções semanais em meados de outubro. Face a este cenário, os especialistas de saúde pública alemães estão preocupados com o aumento da incidência e pedem mais restrições.

Como consequência do aumento de contágios, o número de doentes internados nas unidades de cuidados intensivos aumentou 15% em apenas uma semana. Citado pela Reuters, Gerald Gass, responsável pela Federação Hospitalar alemã, estima que possa haver mais de três mil utentes em UCI nas próximas duas semanas (esta quinta-feira estão 2.219 doentes hospitalizados que necessitam de cuidados intensivos).

Devido a estes indicadores, vários especialistas já pediram um aumento das medidas de contenção da pandemia ao futuro governo liderado por Olaf Scholz do SPD, que fará uma coligação com os liberais e com os verdes. Contudo, os três partidos preferem a aplicação de regras de carácter regional, estando mesmo previsto que o estado de emergência que vigora no país desde o início da pandemia termine.

Segundo a Reuters, Karl Lauterbach, responsável da área da saúde que pertence ao SPD, sinalizou que um confinamento geral e um encerramento das escolas é um cenário muito pouco provável neste momento.

O Instituto Robert Koch notificou nas últimas 24 horas mais 28.037 casos e 126 mortes. Na terça-feira, o país chegou a registar mais de 31 mil infeções, atingindo máximos de abril.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR