Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os pais já podem novamente entrar nas creches para ir buscar ou levar os filhos, desde que respeitem o “distanciamento físico”, sendo ainda recomendando o uso de máscara, divulgou esta quarta-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Após vários apelos dos pais e um projeto de resolução do PAN, o organismo liderado por Graça Freitas decidiu atualizar a norma 025/2020, dando novas orientações a creches, creches familiares e amas. No documento, a DGS esclarece que todas as creches devem “manter-se devidamente preparadas” para abordar casos suspeitos de Covid-19, bem como devem “prevenir e minimizar a transmissão” da doença.

De acordo com a Agência Lusa, a informação atualizada deixa cair ainda a obrigatoriedade de os sapatos das crianças ficarem à porta da sala de atividades onde as crianças se sentam ou deitam no chão, assim como a proibição de partilha de brinquedos.

Para isso, a DGS recomenda definição de “uma área de isolamento” nas creches na eventualidade de ser detetado um caso positivo, em que seja “possível efetuar chamadas”, haja uma “cadeira”, “água” e alguns “alimentos não perecíveis”. É também aconselhado que, nas salas onde as crianças brincam, o distanciamento seja garantido, desde que tal não comprometa o “normal funcionamento das atividades lúdico-pedagógicas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No mesmo documento, a DGS sinaliza que deve ser garantida uma “boa ventilação dos espaços” e, no período da sesta, devem manter-se os cuidados de higiene pessoal e ambiental: “A limpeza e desinfeção devem ser reforçados antes e depois da sesta”.

Apesar de o uso de máscara pelos pais ser apenas recomendada, os funcionários devem usar o equipamento de proteção pessoal em todos os recintos.

PAN quer que pais voltem a poder acompanhar crianças nas creches

Esta alteração surge após o PAN ter apresentado um projeto de resolução no Parlamento em que pedia a revisão da norma da DGS. O facto de os pais não poderem ir buscar os filhos às creches “causava enorme angústia” nos adultos, “bem como sofrimento emocional das crianças”, argumentava o partido.