Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A análise de uma amostra de ADN com mais de 130 anos permitiu a cientistas norte-americanos confirmar que o célebre líder indígena Touro Sentado é bisavô de Ernie LaPointe, um cidadão de 73 anos residente no estado de Dakota do Sul, nos EUA, de acordo com informações divulgadas esta semana por investigadores da Universidade de Cambridge.

Segundo a agência Reuters, o ADN foi retirado de fragmentos de cabelos de Touro Sentado, que se encontravam armazenados no Instituto Smithsonian, em Washington, e usados para confirmar a ligação familiar entre o histórico líder indígena e o seu bisneto.

Sinto que esta investigação de ADN é uma outra forma de identificar a minha relação com o meu bisavô”, disse Ernie LaPointe à Reuters.

“As pessoas têm questionado a nossa ligação com o nosso antepassado desde que tenho memória. São uns chatos, e provavelmente também vão duvidar destas conclusões“, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estudo científico, elaborado a partir de um modelo criado por uma equipa liderada pelo reputado geneticista Eske Willerslev, da Universidade de Cambridge, foi o primeiro em que o ADN de uma pessoa morta há várias décadas foi usado para provar uma ligação familiar. Este modelo permite extrair ADN útil a partir de fragmentos do corpo como o cabelo, os dentes ou os ossos — aqueles que ficam preservados durante mais tempo.

Porém, trata-se de um processo bastante complexo — que foi ainda mais difícil no caso de Touro Sentado, uma vez que o cabelo do líder indígena esteve durante vários anos guardado numa sala à temperatura ambiente, o que levou à degradação do material genético.

Os cientistas trabalharam no projeto durante 14 anos, desde 2007, ano em que o Instituto Smithsonian devolveu o cabelo de Touro Sentado à família.

“Recebi muito pouco cabelo e havia lá uma quantidade limitada de ADN. Demorámos muito tempo a desenvolver um método que, com base em ADN ancestral limitado, permita uma comparação com o de pessoas vivas em várias gerações”, explicou Eske Willerslev à Reuters.

Touro Sentado foi um líder indígena da etnia hunkapa, dos índios Sioux, que nasceu em 1831 e morreu em 1890. Tornou-se célebre por liderar milhares de índios na batalha de Little Bighorn, em 1876, na qual o exército norte-americano, liderado pelo general Custer, perdeu contra os índios Cheyenne e Sioux. Touro Sentado acabaria por ser morto pela polícia norte-americana quando se começou a aproximar do movimento da Dança dos Fantasmas, que o governo dos EUA viu como uma ameaça à expansão colonial no norte do continente.