Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Clima, Covid e economia dominam a agenda do primeiro G20 presencial pós-pandemia. Noticia a agência Reuters que os líderes das 20 maiores economias do mundo preparam-se também para apoiar um acordo da OCDE sobre uma taxa corporativa mínima global de 15%, com entrada em vigor das regras prevista para 2023.

Segundo os apontamentos desta cimeira, citados pela Reuters, pode ler-se “apelamos ao Quadro Inclusivo da OCDE/G20 sobre Erosão da Base Tributária e Transferência de Lucros para rapidamente desenvolver o modelo das regras e os instrumentos multilaterais, como acordado no Plano de Implementação Detalhado com vista a garantir que as novas regras entrarão em vigor a nível global em 2023.” As conclusões serão formalmente aprovadas no domingo, garante a agência.

Esta notícia surge na sequência de um acordo histórico alcançado, no passado mês de outubro, sobre a criação de um imposto mínimo para as multinacionais, incluindo os gigantes tecnológicos como a Google, Amazon, Facebook, Microsoft e Apple. O objetivo é tornar mais justa a tributação, dificultando assim que evitem a taxação por se instalarem escritórios em jurisdições de baixos impostos. Dos 140 países que compõem a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico, 136 aderiram ao acordo, entre eles os 20 países do G20 e os países da União Europeia, onde se inclui Portugal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR