Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A morte de Bernardo Tengarrinha, antigo defesa internacional nas camadas jovens das seleções que passou por FC Porto e Benfica na formação antes de fazer uma carreira sólida na Primeira Liga que teve de ser suspensa em 2017 devido a um linfoma de Hodgkin, tem gerado grande consternação no mundo do futebol nacional, com vários clubes, entidades ou jogadores a deixarem uma última mensagem ao ex-jogador.

“Foi com profunda tristeza e consternação que tomei conhecimento da morte de Bernardo Tengarrinha que durante longos meses travou uma luta corajosa contra a cruel doença que o vitimou. Aos 28 anos teve de abdicar de fazer aquilo que era a sua paixão quando, então, representava o Boavista. Parte, agora, demasiado cedo, deixando-nos um exemplo de coragem, tenacidade e determinação. Nesta hora tão difícil, dirijo uma palavra de conforto possível e toda a solidariedade à família do Bernardo Tengarrinha. Aos amigos e aos clubes que representou, fica sentida nota de pesar e de consolo”, comentou Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, numa nota no site oficial da FPF.

“Um jovem futebolista que se despede cedo. À família deixo uma palavra de solidariedade, numa altura em que escasseiam as palavras. Até sempre!”, escreveu Pedro Proença, presidente da Liga, na sua conta oficial do Twitter, juntando uma nota oficial da Liga Portugal onde envia também “sentidas condolências”.

O início do FC Porto-Boavista ficou também assinalado por um minuto de silêncio em memória do antigo jogador (que foi sobretudo um minuto de aplausos) e os dois capitães, Pepe e Javi Garcia, tiraram depois uma imagem enquanto seguravam as camisolas que o defesa envergou nas duas equipas.

Em atualização