Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O governo chinês pediu às famílias que acumulem “alguma quantidade” de mantimentos em antecipação ao inverno. O país está a adotar uma polícia de “Covid-zero”, para tentar conter os surtos recentes, e por isso quer assegurar que os cidadãos têm comida e outras necessidades básicas diárias caso existam confinamentos localizados.

Segundo a Reuters, esta diretiva gerou alguma preocupação de que poderia ser um sinal de um agravamento das tensões com Taiwan. Mas um jornal ligado ao regime comunista chinês, o Economic Daily, escreveu que as pessoas “não devem ter uma imaginação demasiado fértil” e garantiu que a única preocupação da diretiva está relacionada com o risco de surtos de Covid-19.

A imprensa local está a publicar listas de produtos recomendados, como bolachas, noodles instantâneos, vitaminas, rádios e lanternas. Os cidadãos estão, também, a comprar arroz, óleo alimentar e sal, segundo a Reuters.

A informação estará, já, a levar a alguma corrida aos supermercados. “Assim que esta notícia saiu, todas as pessoas de idade perto de mim foram a correr às compras”, escreveu um utilizador da rede social Weibo, uma espécie de Twitter muito usado na China.

China. Governo pede a famílias que armazenem mantimentos em casa para precaver confinamentos locais