Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Naquele que era o norte do antigo reino da Mesopotâmia, um grupo de arqueólogos descobriu o que acreditam ser a primeira e mais antiga prensa de vinho industrial, com mais de 2700 anos, noticia a CNN.

O local foi descoberto por uma equipa da Universidade de Udine em cooperação com as autoridades em antiguidades da cidade iraquiana de Dohuk. Daniele Morandi Bonacossi, professor da Universidade de Udine e diretor desta escavação arqueológica, citado pela CNN, diz que “este é um achado arqueológico bastante único, porque é a primeira vez no norte da Mesopotâmia que conseguem identificar uma zona de produção de vinho”.

O território em questão, norte da Mesopotâmia, abrange atualmente grande parte do Iraque, bem como partes do Irão, Kuwait, Síria e Turquia. Segundo o professor, entre os séculos VIII e VII a.C. houve um crescente interesse por vinho na corte e na elite social do referido reino, que era utilizado em práticas cerimoniais.

Esta descoberta arqueológica inclui 14 instalações escavadas nas montanhas rochosas, que consistem num conjunto de bacias superiores e inferiores que se acredita serem para a produção de vinho, sendo as primeiras para as pessoas pisarem as uvas e as segundas para onde escorria o suco.

As equipas responsáveis pela escavação procuram incluir este local na lista de património mundial da UNESCO.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR