Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dois casais da Califórnia processaram, na segunda-feira, uma clínica de fertilidade por uma troca de embriões que levou duas mulheres a engravidarem do filho errado, noticia a agência Reuters. Três meses depois, perceberam o erro devido a um teste de ADN.

Os bebés, nascidos em setembro de 2019, resultado de fertilizações in vitro, nasceram com uma semana de diferença e foram criados pelos pais errados durante quase três meses. Um teste de ADN revelou o engano da clínica e os pais trocaram as crianças em janeiro de 2020.

O processo revela algumas das dificuldades pelas quais um dos casais — Alexander e Daphna Cardinale, assim como a sua outra filha de sete anos, passaram devido ao acidente:

Os Cardinale, incluindo a sua jovem filha, apaixonaram-se por esta criança, e ficaram aterrorizados quando souberam que ela lhes ia ser retirada. Entretanto, Alexander e Daphna não sabiam onde o seu embrião estava, e por isso estavam apavorados por saber que outra mulher estava grávida do seu filho — e que a criança estava algures no mundo sem eles”, diz o documento.

Os dois casais mantêm o contacto de forma a continuarem na vida dos bebés trocados, formando “uma família maior”. O outro casal estava “tão apaixonado pela nossa filha biológica como nós estávamos pela deles”, garantiu Alexander Cardinale.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR