Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Faminto”

Uma professora de uma cidadezinha do Oregon (Keri Russell) e o xerife, seu irmão (Jesse Plemons), descobrem que um dos alunos dela, um miúdo calado e esquivo, oculta um terrível segredo em casa, neste insípido e exageradamente sangrento filme de terror de Scott Cooper, com produção de Guillermo del Toro. “Faminto” tem como única originalidade o ter ido buscar como monstro da história uma criatura do folclore das tribos índias da região, o Wendigo, imortalizado na literatura de terror por Algernon Blackwood na sua novela homónima de 1910 e que já antes se manifestou no cinema fantástico, nomeadamente em “Wendigo”, de Rodger Darbonne (1978) e “Alucinações”, de Larry Fessenden (2001). A criatura está muito bem visualizada pelos técnicos dos efeitos especiais e pedia um filme melhor do que este. Tal como Graham Greene, que aparece brevemente no papel de um prudente xerife índio que conhece a mitologia local.

“I Am Greta”

Um documentário apologético e totalmente acrítico do sueco Nathan Grossman sobre a sua compatriota Greta Thunberg, a passionária adolescente do catastrofismo climático. O filme segue-a desde que começou a sua greve escolar pelo clima na Suécia, em 2108, até à chegada a Nova Iorque, após uma viagem pelo mar, para falar na ONU. É um trabalho de adulação passiva em que Grossman ignora o papel dos pais esquerdistas de Greta no seu percurso, não a interroga de forma assertiva como faria qualquer bom documentarista, e não investiga os interesses das empresas ligadas ao “capitalismo verde” que estão por trás dela, nem a influência real da doença de Asperger de que sofre sobre o seu comportamento. O que fica mais que claro em “I Am Greta” é o discurso redondo, raso e vazio da obsessiva ativista, e a forma lamentável como os media e grandes instituições europeias e mundiais lhe dão crédito.

“Crónicas de França do Liberty, Kansas Evening Sun”

Wes Anderson sempre quis fazer um filme francês e outro sobre a revista “The New Yorker”. “Crónicas de França”, passado na França dos anos 50 a 70, na redacção do “The French Dispatch”, o suplemento de domingo do diário americano “Evening Sun”, publicado em Liberty, no Kansas, e situada na cidade fictícia francesa de Ennui-sur-Blasé, é, segundo o próprio, “o beijo” entre estas duas ideias. É uma densa e complexa fita em episódios, formada por um conjunto de histórias jornalísticas correspondendo a outros tantos artigos das secções da revista, cujo último número está a ser preparado em 1975, após a morte do seu carismático editor, Arthur Howitzer, Jr. (Bill Murray), filho do dono do “Evening Sun”, e que expressou a vontade que aquela fechasse quando ele partisse deste mundo. “Crónicas de França do Liberty, Kansas Evening Sun” foi escolhido como filme da semana pelo Observador e pode ler a crítica aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR