Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A piloto francesa Michèle Mouton, que participou em ralis de 1974 a 1986, tendo vencido quatro provas do Campeonato do Mundo, teve o auge da sua carreira associada à Audi e ao célebre Quattro, que conduziu entre 1980 e 1986. Aos comandos das diferentes versões do carro alemão, Mouton foi colega de equipa e rival de alguns dos mais venerados pilotos da história dos ralis, de Hannu Mikkola a Stig Blomqvist, passando por Walter Röhrl, Henri Toivonen, Björn Waldegard e Ari Vatanen, o que não impediu a piloto francesa de ser a mais rápida em 162 classificativas e juntar às quatro vitórias já mencionadas, nove lugares no pódio em provas do Mundial.

O documentário sobre Michèle Mouton vai para o ar a 20 de Novembro, tendo sido produzido pela Drum Studios em associação com a Sky Studios. Além da piloto gaulesa, participam activamente no filme a sua antiga navegadora Fabrizia Pons e muitos dos seus rivais de então. Mesmo os que admitiam um certo embaraço por perderem para uma mulher, sensação que afectava a maioria, para não dizer a totalidade.

O Mundial de 1982 foi o ponto alto da carreira da piloto francesa, ano em que foi a melhor representante da Audi, ultrapassando Mikkola e Blomqvist, sendo apenas batida por Rohrl, no Opel Ascona 400. Depois da Audi, equipa com que ainda venceu a Pikes Peak International Hill Climb de 1985, Mouton assinaria pela Peugeot no ano seguinte, antes de abandonar o Mundial de Ralis com o final dos Grupo B.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR