Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Fiscalização dos candidatos pela Interpol, entrevistas presenciais e visitas ao domicílio, proibição de candidatos trazerem a família. São estas algumas das propostas feitas pela eurodeputada Sophie in ‘t Veld, relatora principal de um documento com propostas de alteração às regras de atribuição dos vistos gold que é apresentado esta sexta-feira na Comissão de Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos do Parlamento Europeu.

A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias, que leu a proposta da eurodeputada holandesa, disponível online. No documento, Veld afirma que os esquemas de atribuição de cidadania como o dos vistos gold “levam à mercantilização da cidadania” europeia e que essa mercantilização “não é compatível com os valores da União”.

Para combater isso, a relatora propõe uma série de medidas para apertar o escrutínio aos candidatos. Em concreto, a Interpol poderá vir a fiscalizar o cadastro judicial dos candidatos, bem como conduzir várias entrevistas, onde os candidatos terão de explicitar a sua situação financeira. Para além disso, as autoridades nacionais poderão ainda realizar duas visitas ao domicílio por ano aos candidatos que tiverem sido aprovados.

A proposta será discutida na Comissão e poderá ainda sofrer alterações até ao dia 6 de dezembro. Depois de aprovado, o documento será discutido em plenário no Parlamento Europeu e sujeito a votação final.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR