Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O general John Hyten, vice-presidente do Estado-Maior das Forças Armadas norte-americanas, alertou para o potencial nuclear da China, garantindo que o míssil supersónico testado pelo país no verão “deu a volta ao mundo”.

A novidade, dada pelo segundo general mais importante na hierarquia militar dos EUA, foi divulgada numa entrevista à CBS emitida esta terça-feira. “Eles lançaram um míssil de longo-alcance”, afirmou Hyten. “Deu a volta ao mundo e largou um planador supersónico que regressou à China e teve efeitos num alvo”. Questionado sobre se o míssil tinha conseguido atingir o alvo previsto, o general disse que foi “perto o suficiente”.

O general afirmou ainda que a China pode um dia vir a lançar um ataque nuclear sobre os EUA e deixou uma pergunta de retórica: “Porque é que eles estão a preparar toda esta capacidade?”. Hyten acrescentou que o armamento nuclear que está a ser testado pela China lhe parece ser do tipo de armamento que se desenvolve para levar a cabo “ataques nucleares preventivos” — ou seja, quando se ataca a capacidade nuclear de um inimigo.

Estas afirmações surgem ao mesmo tempo em que a tensão entre a China e a ilha de Taiwan está no nível alto. Os EUA têm tentado clarificar a sua posição nesse conflito, dizendo que não tencionam envolver-se, depois de o Presidente norte-americano Joe Biden ter afirmado que o país iria proteger Taiwan no caso de esta ser atacada.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR