Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há já alguns anos que alguns construtores, sobretudo os alemães mais vocacionados para o luxo, iniciaram um movimento que consiste em incrementar a dimensão das grelhas que ornamentam a frente dos seus modelos. De recordar que estas grelhas, inicialmente denominadas grelhas do radiador, serviam para entrar o ar que era dirigido para o radiador destinado a refrigerar o líquido que arrefece o motor. Com o ar condicionado, surgiu um segundo radiador, incrementando a necessidade de ar, para depois com as unidades sobrealimentadas aparecer um terceiro radiador, ou permutador de calor, com a finalidade de baixar a temperatura e, por tabela, aumentar a densidade do ar comprimido.

Nenhuma destas crescentes necessidades de ar fresco justificam o descomunal incremento da dimensão das grelhas, uma imposição dos designers, que descobriram – ou assim pensam – que os potenciais clientes associam uma grelha grande (apesar dos prejuízos aerodinâmicos) a um estatuto mais requintado.

4 fotos

Os chineses podem não ser exímios no design, mas compensam na capacidade de copiar conceitos e tendências, pelo que também eles têm recorrido a megagrelhas para os seus carros de luxo. O mais recente exemplo vem da Voyah, a marca de luxo da Dongfeng, que apresentou o seu novo monovolume Dreamer no salão de Guangzhou.

4 fotos

O Dreamer tem várias versões, mas a exposta no certame chinês estava vocacionada para apenas dois passageiros, a que se juntavam o chauffeur e o guarda-costas lá à frente. Mas tão imponente quanto o espaço interior, é o tamanho da grelha, capaz de envergonhar – neste caso, no bom sentido – as propostas da Audi, BMW e Mercedes, como pode ver na galeria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR