Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O construtor japonês vai voltar a figurar entre os principais candidatos à vitória no próximo Dakar, que se realiza entre 2 e 14 de Janeiro, nas dunas da Arábia Saudita. É a terceira vez que os sauditas acolhem a competição que, nesta edição, vai ver correr, pela primeira vez, modelos transformados segundo os novos regulamentos T1+.

Ao volante das pick-ups da Toyota vão estar quatro pilotos, os mais reputados Nasser Al-Attiyah e Giniel de Villiers, e os menos experientes Henk Lategan e Shameer Variawa. As atenções irão estar centradas em Al-Attiyah, que conta já com três vitórias (a última em 2019) e cinco 2º lugares na competição, tendo conquistado o 2º lugar do pódio em 2020, atrás do Mini de Carlos Sainz, e de novo em 2021, atrás do Mini de Peterhansel. Outro dos valores seguros da equipa japonesa será de Villiers, vencedor do Dakar numa ocasião, a que somou mais oito lugares no pódio.

A grande novidade no Team Toyota Gazoo Racing é a nova pick-up, do agrupamento T1+. Denominada GR DKR Hilux T1+, a nova pick-up foi adaptada ao novo regulamento, o que pressupõe a utilização de pneus mais largos (320 mm em vez de 245 mm) e suspensões com curso mais generoso (350 mm em vez dos anteriores 280 mm).

A nova pick-up é mais pesada do que a anterior, pelo regulamento, atingindo agora 2000 kg. Mas compensa o peso adicional com o motor, simultaneamente mais pequeno e leve, mas mais possante. Em vez do anterior 5.0 V8 com 320 cv, devido ao restritor de ar, o novo 3.5 V6 biturbo fornece 400 cv e, mais do que isso, garante 660 Nm de binário, muito mais do que a mecânica precedente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR