Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um jogo de parada e resposta dentro de campo, um jogo sem paradas e com muitas respostas nas bancadas, um jogo com uma parada e uma resposta fora do pavilhão. O primeiro dérbi de futsal da temporada entre Sporting e Benfica, disputado no João Rocha, terminou com a vitória dos verde e brancos por 5-2 mas foi marcado por muitos outros pontos dissecados pelos encarnados em comunicado, entre críticas à arbitragem, ao comportamento dos adeptos leoninos e até ao canal 11 que assegurou a transmissão televisiva do jogo. Um par de horas depois, a formação de Alvalade respondeu às acusações e apontou o dedo ao pivô Jacaré.

Benfica descreve “noite de Vale Tudo”: um jogador ferido, intervenção reprovável da polícia, má arbitragem e até o canal 11

“O Sporting congratula-se por mais uma vitória justa e inequívoca no dérbi de futsal, frente ao Benfica. Foi um grande jogo, frente a um rival, onde a equipa demonstrou em campo por que razão é campeã nacional e europeia da modalidade”, começou por destacar o comunicado dos leões.

Sporting vence Benfica no primeiro dérbi da época e sobe à liderança do Campeonato de futsal

“O Sporting rejeita toda e qualquer tipo de violência e acredita que comportamentos violentos devem ser banidos dos recintos desportivos em Portugal. Temos lutado por um Desporto mais justo, mais transparente, mais equitativo e continuaremos intransigentes nessa luta. Disputas verbais entre adeptos são comuns e normais, tudo o que transcenda isso mesmo, seja de um lado ou de outro, é absolutamente lamentável. Ainda sobre o jogo de ontem [domingo], de referir também que o incidente responsável pela quebra de vidro de proteção foi motivado por festejos dos nossos adeptos e não tentativas de agressão”, prosseguiu o mesmo texto, antes de falar também da ação do jogador encarnado em campo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Num jogo de alta intensidade e de emoções fortes, são absolutamente lamentáveis as provocações constantes do jogador Jacaré, incendiando as bancadas e o ambiente, com uma atitude que em nada se recomenda a um jogador profissional. Todos deveremos trabalhar em conjunto para eliminar certos comportamentos do público e educar os nossos jogadores a não contribuírem para a violência nos recintos desportivos”, concluiu a missiva colocada nas várias plataformas do clube.