Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A inflação na zona euro pode fazer-se sentir de forma mais forte e duradoura do que se prevê neste momento, admite uma das figuras mais influentes do Banco Central Europeu – a alemã Isabel Schnaubel, que está no Conselho Executivo do banco central e que lidera o departamento de operações de mercado.

“É plausível que a inflação vá regressar para níveis abaixo do nosso objetivo de 2% no médio prazo”, afirmou a responsável. “Porém, os riscos pendem para o lado positivo“, ou seja, embora o cenário central previsto pelo BCE seja de uma normalização, existe uma probabilidade maior de que a inflação surpreenda pela positiva do que pela negativa.

As declarações estão a levar os mercados financeiros a aproximarem a data prevista para a primeira subida das taxas de juro, novamente para o final de 2022. No início do mês, a presidente do BCE, Christine Lagarde, disse que era “muito improvável” que se reunissem as condições para um aumento da taxa de juro em 2022. Esse comentário “empurrou” para 2023 as expectativas dos mercados, a julgar pelas taxas de mercado, mas os investidores estão novamente a apostar que a primeira subida dos juros virá mais cedo do que o BCE tem vindo a indicar publicamente.

Isabel Schnaubel, nesta entrevista a um jornal alemão, afirma que a “incerteza aumentou, no que diz respeito ao ritmo e à medida do declínio” da taxa de inflação. A poucas semanas de uma reunião importante do Conselho do BCE, presidido por Lagarde, Schnaubel diz que “é importante ter em consideração este aumento da incerteza”. A inflação na zona euro superou os 4%, o dobro do objetivo, e já estará perto dos 6% na Alemanha, o que tem colocado o BCE sob pressão para subir as taxas de juro.

Por outro lado, a responsável do BCE mostrou-se otimista em relação ao impacto da nova vaga pandémica nas economias europeias, numa altura em que vários países estão a avançar com medidas mais restritivas. É expectável que estas medidas tenham um efeito, “moderado”, mas “não penso que seja algo capaz de fazer descarrilar a recuperação geral“.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR