Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Comissão Europeia apelou aos Estados-membro para administrarem uma dose de reforço a toda a população elegível a partir dos 18 anos. Numa mensagem publicada no Twitter, a presidente Ursula von der Leyen defendeu que “as doses de reforço devem estar disponíveis para todos os adultos, com prioridade para pessoas com mais de 40 anos e pessoas vulneráveis”.

O apelo de Von der Leyen surgiu minutos depois de o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), órgão da União Europeia, ter recomendado a administração de doses de reforço a todos os adultos elegíveis a partir dos 18 anos, sobretudo aos indivíduos com 40 anos ou mais, nos países da União Europeia. O centro apelou ainda à manutenção ou reintrodução de medidas não-farmacológicas, como o uso generalizado da máscara.

A diretora do ECDC, Andrea Ammon, avisou numa avaliação de risco enviada à imprensa que o impacto da Covid-19 nos países europeus será “muito elevado” entre dezembro e janeiro, “a menos que medidas de saúde pública sejam aplicadas agora em combinação com esforços contínuos para aumentar a absorção da vacina na totalidade população”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A médica avisou que “a cobertura vacinal geral na União Europeia e no Espaço Económico Europeu vai ser insuficiente a limitar o impacto dos casos de Covid-19 e internamentos ao longo dos meses de inverno” e que os países com menor percentagem da população vacinada estão em maior risco. Mas mesmo aqueles que registam elevada cobertura vacinal “têm sub-populações e grupos etários em que a cobertura continua abaixo do desejado”.

O reforço da vacinação em toda a população adulta, principalmente acima dos 40 anos e com maior foco dos vulneráveis e idosos, permitirá “aumentar a proteção contra a infeção devido ao declínio da imunidade”, o que poderá reduzir a transmissão do vírus, prevenir hospitalizações e poupar vidas.

O aumento da cobertura vacinal em todos os adultos, mas sobretudo entre os idosos, vulneráveis e profissionais de saúde, “deve ser uma prioridade para as autoridades de saúde pública”, prossegue o comunicado do ECDC: “A Europa deve fechar as falhas imunitárias na população adulta e garantir uma cobertura efetiva e equitativa entre países e regiões”.

Para a ECDC, consideram-se elegíveis todas as pessoas a partir dos 18 anos que tenham terminado o esquema vacinal original há pelo menos seis meses. Em Portugal, além dos profissionais de saúde e do setor social (como bombeiros), atualmente são considerados elegíveis os indivíduos a partir dos 65 anos que tenham terminado a vacinação primária ou tenham estado infetados há pelo menos cinco meses; assim como quem recebeu a vacina da Janssen também há pelo menos 150 dias.