Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não será propriamente uma escolha digna de Monty Python mas, como diz a velha máxima dos comediantes britânicos, foi pelo menos “alguma coisa completamente diferente” daquela que todos esperavam (e cenários possíveis não faltavam): Ralf Rangnick, treinador alemão de 63 anos que tinha assinado em julho contrato com o Lokomotiv Moscovo para ser diretor desportivo e de desenvolvimento da formação da equipa russa, prepara-se para orientar Cristiano Ronaldo, Bruno Fernandes e companhia no Manchester United.

A informação ainda não foi confirmada de forma oficial pelos red devils mas a imprensa inglesa assegura que já existe um acordo entre o clube e o técnico germânico para assumir de forma interina o comando da equipa enquanto não existe consenso (nem proximidade disso mesmo) para encontrar o sucessor “definitivo” de Ole Gunnar Solskjaer, técnico que foi despedido no último fim de semana após três anos no cargo.

Depois das primeiras indicações que davam conta das possibilidades para suceder ao norueguês, cedo se começou a perceber que o caminho seria outro e passaria por encontrar uma solução a prazo que permitisse não só estabilizar a equipa a curto prazo como também dar outra margem para encontrar a figura que irá liderar o próximo ciclo do clube, ainda em busca daquela figura quase messiânica como era Alex Ferguson. Nesse sentido, e ainda de acordo com publicações britânicas como o The Telegraph ou o Manchester Evening News, tinham existido quatro entrevistas já feitas e uma tinha sido ao próprio Rangnick.

John Murtough, diretor do futebol do Manchester United, falou com o alemão, com Ernesto Valverde, com Lucien Favre e Rudi Garcia, tendo curiosamente uma outra entrevista marcada com um português, Paulo Fonseca. A decisão acabou por ser mais rápida do que se esperava e recaiu sobre o germânico.

Em atualização

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Leia também: