Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Papa Francisco criticou no domingo, dia 28, aqueles que considerou como “cristãos adormecidos”, por revelarem uma maior apatia e indiferença para com os outros.

Do seu poiso habitual, na varanda da Praça de São Pedro, o alto sacerdote do cristianismo considerou ainda, segundo o La Vanguardia, que muitos cristãos são iludidos “pela mundanidade espiritual, sem qualquer impulso espiritual, que rezam como papagaios sem qualquer entusiasmo pelo Evangelho”. O Papa Francisco apelou ainda aos seguidores do novo testamento a não deixarem que as suas ações “se esmoreçam na mediocridade”.

Na oração dominical do Angelus, o líder cristão denunciou a situação que atravessam vários migrantes deportados para países do Norte de África e do Médio Oriente, onde “são torturados e reduzidos à escravidão”, pedindo à comunidade internacional para tomar ações em relação a este problema.

Quantos imigrantes são expostos também atualmente a grandes perigos e quantos perdem a vida nas nossas fronteiras? Sinto pesar pelas condições em que se encontram muitos deles”, afirmou o alto sacerdote.

Naufrágio de barco insuflável. Pelo menos 27 migrantes morreram ao tentar atravessar o Canal da Mancha

Francisco aproveitou para recordar os mortos do naufrágio da passada quarta-feira, dia 24, que ocorreu no Canal da Mancha, assim como todos os migrantes que perderam a vida na travessia do mar Mediterrâneo e aqueles que se encontram na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Aos imigrantes que se encontram nestas situações de crise, envio-lhes a minha oração e o meu coração, que saibam que estou junto deles”, afirmou o Pontífice.

Notícia atualizada às 10h55 de dia 29