O sindicato que representa os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) considerou esta sexta-feira “uma excelente notícia para o sistema de segurança interna” a demissão de Eduardo Cabrita do cargo de ministro da Administração Interna.

“Espero que nunca mais volte a tutelar a Administração Interna, pois enfraqueceu todas as instituições que lhe competia reorganizar e reforçar”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF-SEF), Acácio Pereira.

O sindicato que representa os inspetores do SEF pediu várias vezes a demissão de Eduardo Cabrita durante o processo em que esteve em discussão a extinção daquele serviço de segurança.

Eduardo Cabrita demite-se depois de acusação no caso de atropelamento mortal

Acácio Pereira disse ainda que Eduardo Cabrita fica para a história como o ministro que quis acabar com o SEF, cuja extinção ficou adiada para maio devido à pandemia de Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Eduardo Cabrita demitiu-se esta sexta-feira do cargo de ministro da Administração Interna, seis meses depois do acidente mortal provocado pelo carro em que seguia, terminando um mandato marcado por várias polémicas que desgastaram a sua imagem.

O motorista de Eduardo Cabrita foi acusado de um crime de homicídio por negligência no acidente de 18 de junho de 2021 em que foi atropelado na autoestrada A6 um trabalhador que fazia a manutenção da via na zona de Évora. A acusação pelo Ministério Público (MP) precipitou a demissão de Eduardo Cabrita, que já era pedida regularmente por várias forças políticas.

Após mais de cinco meses de silêncio quase total sobre o caso, Eduardo Cabrita deixou passar apenas algumas horas sobre a acusação do MP até à decisão de apresentar a demissão do cargo, esta sexta-feira anunciada ao final da tarde numa declaração aos jornalistas sem lugar a perguntas.

António Costa disse ter aceitado o pedido de demissão de Eduardo Cabrita do cargo de ministro da Administração Interna e que “nos próximos dias” indicará o nome do sucessor.