Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A deputada não-inscrita Cristina Rodrigues não será candidata às eleições legislativas de janeiro, apesar de ter circulado nos últimos meses que podia seguir na lista de um partido de esquerda. Depois de mais de um ano na condição de não-inscrita, a deputada que foi eleita pelo PAN, enquanto cabeça de lista do círculo de Setúbal, diz agora que não se vai apresentar a sufrágio a 30 de janeiro. Sabe o Observador que Cristina Rodrigues se irá dedicar à vida académica.

Numa curta declaração nas redes sociais, Cristina Rodrigues recordou as palavras do presidente da Assembleia da República no dia em que comunicou a desvinculação do PAN.

“No dia em que comuniquei a Ferro Rodrigues que ia desvincular-me do meu partido, este disse-me que agora cabia-me a mim demonstrar que a era uma decisão positiva para a democracia”, escreveu acrescentando que espera “ter sido” uma decisão positiva para a democracia portuguesa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Não serei candidata nestas eleições. Obrigada por tudo”, acrescentou a deputada que se desvinculou do PAN a 25 de junho do ano passado acusando o partido de a querer “silenciar” e “condicionar a capacidade de trabalho” que desenvolvia na bancada parlamentar do Pessoas-Animais-Natureza.

Mais uma saída: Deputada do PAN à Assembleia da República desvincula-se do partido. Mantém-se como não inscrita

Cristina Rodrigues chegou ao hemiciclo em outubro de 2019, mas já conhecia os corredores do Parlamento. Com a entrada do PAN na Assembleia da República em 2015 — com a eleição do deputado único André Silva — Cristina Rodrigues trabalhou como chefe de gabinete do partido.

Entre as resoluções que a deputada conseguiu ver aprovadas estão temas como o combate à pobreza menstrual ou a adoção de medidas para salvar procriação medicamente assistida no Serviço Nacional de Saúde. A deputada não inscrita apresentou também, por exemplo, um projeto de lei na Assembleia da República que visava criminalizar a violência obstétrica, prevendo até um ano de prisão para quem sujeitar uma parturiente a violência física ou psicológica.