Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há sensivelmente dois anos, Pedri valia oito milhões de euros, segundo o site de referência Transfermarkt. Agora, depois de uma explosão ao serviço do Barcelona, o seu valor de mercado é de 80 milhões de euros (dez vezes mais) e a sua recente renovação de contrato com os blaugrana valeu-lhe uma cláusula de rescisão de estrondosos mil milhões de euros capaz de assustar até o Bayern, que segundo a imprensa vê nele um futuro alvo. Há dois anos, Pedri jogava no Las Palmas, onde foi formado. Agora, venceu o Prémio Kopa, atribuído pela France Football ao melhor futebolista abaixo dos 21 anos.

Com 19 anos feitos recentemente, Pedri vem de uma época longa. Foram 72 jogos. Onde? Barcelona, Espanha (foi ao Euro 2020 onde também recebeu prémios), Sub-21 espanhóis e ainda representou o seu país nos Jogos Olímpicos. Foram cerca de 5.100 minutos de futebol, o que mesmo para um jovem que possa estar na plenitude das suas capacidades pode pesar. Talvez por isso, Pedri apenas tenha jogado pela última vez na derrota frente ao Benfica, no Estádio da Luz (3-0), a 29 de setembro deste ano. De resto, está a ser uma época marcada por muitas lesões sobretudo musculares que o têm impedido de contribuir num Barcelona (em crise) comandado agora pelo histórico Xavi.

Pedri renova até 2026 e fica com cláusula de rescisão de mil milhões de euros, a mais alta de sempre no Barcelona

E numa recente entrevista à France Football, o jogador disse que com a chegada do antigo número 6 do clube acha que as coisas podem mudar: “Estou convencido de que vamos melhorar com Xavi. Tem uma ideia muito clara de jogo”. E é mesmo no Barcelona que está concentrado, pois diz que mesmo que o Prémio Kopa seja “incrível de ganhar”, até por ser uma “recompensa por um trabalho bem feito durante todo o ano”. “Mas os títulos coletivos são o mais importante”, refere, apesar de ter destacado o “orgulho de suceder a dois monstros como Mbappé e De Ligt [vencedores noutros anos]”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mesmo na juventude, ser um dos melhores jogadores do Barcelona e também da Espanha no Euro 2020, além de ter agora vencido o Prémio Kopa, faz com que apontem Pedri à Bola de Ouro dentro de pouco tempo. Admitindo que é “o maior dos prémios”, refere que “não se está acostumado a ver médios centro serem recompensados”. “Xavi e Iniesta, por exemplo, nunca ganharam”, frisou. Mas volta a esclarecer: “Antes de ganhar a Bola de Ouro, tenho de me focar em títulos coletivos, que são o mais importante. Ganhar um Mundial com o nosso país deve ser incrível”.

Saído muito novo do Las Palmas, nas Canárias, Pedri revelou que os primeiros tempos no Barcelona foram “difíceis”, devido à “timidez” e o facto de “em Las Palmas ninguém parar para tirar uma foto”. “Porque querem uma fotografia comigo?”, questionava durante esses primeiros dias de “estrela”. Houve ainda “nervosismo” para conhecer a equipa. Uma equipa que tinha, por exemplo, estrelas como Lionel Messi. “É fácil divertires-te com o Leo. Sempre disse que ele é o melhor jogador do mundo. Sempre que joguei com ele, procurava-o. Não te questionas, sabes que ele vai fazer tudo bem”, explicou.

Pedri vence o prémio Golden Boy com vantagem recorde para o segundo classificado. Mas esta época as coisas não correm tão bem

Pedri passou “uma semana de provas no Real Madrid”, mas segundo os responsáveis do clube merengue, citados pelo atleta, disseram que “não tinha nível” para jogar ali. “Assim que cheguei aos Las Palmas [aos 15 anos] foi tudo muito natural. Qualquer menino das Canárias sonha jogar ali. É a equipa mais importante, juntamente com o Tenerife. Ambos estão a ter muito sucesso este ano na Segunda Divisão e seria bom que um deles subisse para eu poder jogar em casa. Aprendi muito ali e, quando tens 16 anos e chegas ao mundo profissional, é importante estar acompanhado. A Segunda Liga espanhola é muito dura. É físico, não tens a bola como no Barça. Adquiri experiência. Pepe Mel [treinador] foi fundamental”, garantiu.

E esse treinador fundamental, Pepe Mel, referiu numa recente entrevista ao Tuttosport que foi nuns “amigáveis em Marbella”, em 2019, num jogo contra o Betis, que percebeu “que Pedri estava pronto para subir”. “Ele tinha 16 anos, mas mexia-se como se tivesse 30. Passava a bola, rematava e driblava sempre na altura certa. E tinha um motor incrível, era muito dotado a nível atlético. Correu sem parar durante 90 minutos”, explicou. Nesse momento, foi questionado pelo presidente do Las Palmas sobre Pedri. Pepe Mel disse apenas: “Pedri é um milionário mas ainda não sabe”.

O Chelsea foi o clube do ano mas o Barcelona ganhou a noite. Com Pedri, com Putellas, até com Messi

No entanto, e principalmente tão jovem, Pedri ainda não tem tudo e Pepe Mel identifica bem o que falta (e que ele é parecido com Iniesta), pelo menos neste departamento, ao jovem médio: golos. “Ele tem de melhorar especialmente perto da baliza. Um jogador daquela qualidade tem de ser um médio com 10 a 12 golos por época. Espero um salto qualitativo neste departamento”, acrescentou. Sobre o Barcelona, e voltando ao tema testes no Real Madrid, Pepe Mel referiu que “agora parece óbvio, mas não é fácil apostar num jovem de 17 ou 18 anos sem ele já ter jogado na La Liga”. “Fizeram bem e agora têm um Golden Boy e Prémio Kopa”, disse o ainda treinador do Las Palmas.

E daqui a dez anos, onde é que Pepe Mel vê Pedri (tal como questionou o Tuttosport)? “Sempre no Barcelona. Dada a despedida de Messi, estou convencido de que eles se vão focar no seu Golden Boy [e Prémio Kopa]. Até porque comprá-lo por mil milhões de euros será impossível”, disse, acrescentando sobre as hipóteses da Bola de Ouro, volta atrás: “Depende do seu crescimento na área dos golos. Marcar é a essência do futebol e é por essa razão que os atacantes são quase sempre recompensados”.