Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Morreu o músico e produtor jamaicano Robbie Shakespeare, antigo integrante do duo Sly and Robbie (que formou com o baterista Sly Dunbar) e tido como um dos mais importantes baixistas da história da Jamaica e da música reggae.

Shakespeare tinha 68 anos e, de acordo com o jornal The Jamaica Gleaner, teria sido submetido recentemente a uma operação cirúrgica aos rins.

Nomeado na sua carreira para 13 prémios Grammy, e vencedor de dois (de melhor gravação reggae em 1984, por “Anthem”, e de melhor álbum de reggae em 1998, por Friends), foi considerado recentemente o 17º melhor baixista de todos os tempos pela revista Rolling Stone. A publicação descrevia-o assim: “Nenhuma outra entidade musical na era pós-Marley [pós-Bob Marley] foi tão omnipresente na definição do som da Jamaica e na capacidade de levar esse som para o mundo”.

O primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, já reagiu à morte de Robbie Shakespeare. Através da rede social Twitter, o governante enviou condolências “à família, amigos e fãs do lendário produtor musical e músico de reggae jamaicano Robbie Shakespeare” e elogiou-o, lembrando que “desempenhou um papel importante na gravação e produção de álbuns de vários artistas de reggae, incluindo Bob Marley, Peter Tosh, Bunny Wailer, U Roy, Culture e Burning Spear, entre outros grandes nomes”.

Quando se fala de tocar baixo no reggae, ninguém se aproxima da influência que teve o Robbie Shakespeare. Será lembrado pela sua excelente contribuição para a indústria musical e para a cultura jamaicana. Que a sua alma descanse em paz”, rematou o primeiro-ministro da Jamaica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tido como um músico e produtor de som capaz de revolucionar e reinventar o som do reggae e do dancehall, um outro estilo de música que surgiu na Jamaica no final dos anos 1970 mas que só se popularizaria mais tarde, Robbie Shakespeare tocou ainda — através do duo Sly and Robbie — com artistas como Grace Jones, Joe Cocker, Serge Gainsbourg, Mick Jagger, Sting e Jackson Browne, por exemplo.

Os dois músicos jamaicanos tocaram ainda em três discos de Bob Dylan: Infidels, Empire Burlesque e Down In The Groove.