Olá

832kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Depois da ceia de Natal, a de Ano Novo, sem primos afastados, "só gente da casa". "Estamos habituados a ressuscitar nas urnas", diz Chicão

Este artigo tem mais de 2 anos

Uma semana após vídeo de Natal, Francisco Rodrigues dos Santos partilhou nova mensagem. Para além de garantir que CDS não morreu, apresentou "Linhas Azuis para a viabilização de um governo de direita"

Há uma semana, o líder do CDS surpreendeu com o vídeo em que apresentou a mesa da “ceia de natal de direita” e os elementos da “família afastada” que a ela não tinham lugar — a “prima moderninha”, o “primo sem maneiras” e o “irmão desaparecido em combate”, que é como quem diz Iniciativa Liberal, Chega e PSD. Agora, na véspera de ano novo, Francisco Rodrigues dos Santos repetiu a fórmula e o tom e, entre passas e copos de champanhe, revelou os desejos do partido para 2022.

Para além de garantir que o CDS está vivo — “Bem sei que muitos vão dizer que o CDS morreu, mas não se preocupem, nós já estamos habituados a ressuscitar nas urnas” —, e depois de uma piscadela de olho à diretora-geral da Saúde — “Dra. Graça Freitas, não se preocupe, o teste deu negativo”, disse de antigénio em punho —, o líder do partido passou a apresentar as “Linhas Azuis para a viabilização de um governo de direita”.

Acompanhado por caras do partido, “gente da casa”, como o número dois da lista de candidatos por Lisboa, José Ribeiro e Castro; ou as cabeças de lista pelo Porto, Filipa Correia Pinto, ou por Setúbal, Cecília Anacoreta Correia, Francisco Rodrigues dos Santos deu a conhecer as doze condições que o partido tenciona impor na hora de negociar um possível apoio a um governo de direita:

  1. A TAP tem de ser imediatamente privatizada;
  2. Impostos sobre empresas e famílias têm de ser reduzidos por meio de um “choque fiscal”;
  3. Eutanásia não pode avançar;
  4. Limitação de mandatos de deputados;
  5. Apoios para jovens, nomeadamente isenção total de impostos na compra da primeira casa;
  6. Tornar opcional disciplina de Cidadania e reverter “Carta Portuguesa dos Direitos Humanos na Era Digital”;
  7. Regresso das parcerias com escolas particulares e cooperativas e reversão do acordo ortográfico;
  8. Maior investimento nas forças de segurança;
  9. Apoio ao “mundo rural;
  10. Fim dos “ataques à tauromaquia”, reposição do IVA a 6% e fim da classificação etária para maiores de 16;
  11. Via verde da saúde e criação de “vale farmácia”;
  12. Não à regionalização.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada