Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há novos desenvolvimentos no caso de Tomás Gimeno, o homem suspeito de ter matado as filhas e depois atirado os cadáveres para o fundo do mar, em Tenerife (Espanha). A autópsia da criança mais velha concluiu que Olivia, de seis anos, sofreu uma “morte violenta” por asfixiamento.

O relatório médico foi divulgado esta quinta-feira pelo Tribunal Superior de Justiça das Canárias. De acordo com o jornal El Mundo, a causa de morte de Olivia é “compatível com uma asfixia mecânica por sufoco”, que resultou num “edema agudo do pulmão”.

O caso que está a marcar Espanha. O que levou Tomás Gimeno a matar as filhas — e o que fez a seguir?

“A morte por asfixia produz-se pela obstrução dos orifícios respiratórios (nariz e boca) e pode ser feita com algum objeto que facilite a compressão simultânea dos orifícios, por exemplo, uma almofada”, afirma no relatório o médico forense Miguel Lorente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lorente admite ainda a possibilidade de, tendo em conta que Olivia tinha apenas seis anos “e ofereceria pouca resistência à força exercida pelo pai”, a asfixia tenha sido feita com as próprias mãos.

A autópsia concluiu também que foi detetado no corpo da criança a presença de “substâncias de interesse toxicológico”, o que pode indiciar que Olivia foi medicada antes de ser morta.

Olivia e a irmã, Anna (de um ano de idade), terão sido assassinadas pelo próprio pai, Tomás Gimeno, em junho do ano passado. As autoridades espanholas pensam que o homem terá decidido matar as filhas para se vingar da mãe das crianças e antiga companheira, Beatriz Zimmerman.

Os comportamentos estranhos de Tomás antes de matar as filhas e a falha que permitiu encontrar Olivia

Tomás Gimeno terá matado as suas filhas na sua casa, em Igueste de Candelaria, na ilha de Tenerife. Terá depois envolvido os corpos em toalhas, colocado os cadáveres em sacos do lixo e depois em sacos de desporto. Por fim, terá atirado os cadáveres ao mar. O corpo de Anna nunca foi encontrado.

O paradeiro de Tomás Gimeno é até hoje desconhecido, mas as autoridades não excluem a possibilidade de o espanhol se ter suicidado.