Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Presidente da Ucrânia alertou esta sexta-feira que a situação no mercado energético continua “muito perigosa”. Volodymyr Zelensky destacou especialmente os problemas que os consumidores europeus enfrentam devido à “chantagem” russa com o gás, que descreveu como “cínica” e “calculada”.

“E porquê? Para que os preços na Europa aumentem ainda mais, para que os europeus comuns sofram ainda mais e para que seja mais difícil para todos preparar o inverno”, criticou no discurso diário. Para o líder ucraniano, esta é uma manifestação da política anti-europeia e anti-humana da Rússia, na qual os gasodutos são “armas” como os tanques e a artilharia e cada um na Europa é um “alvo”.

Em vez de fornecer gás à Europa de acordo com os contratos, a Rússia queima-os simplesmente”, afirmou.

O chefe de Estado lembra que a situação está longe de estabilizar, apelando a sanções para responder às provocações russas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na comunicação diária, Zelensky denunciou também o ataque desta sexta-feira à central nuclear de Zaporíjia: “qualquer bombardeamento às instalações é um crime aberto e descarado, um ato de terror”.

A Ucrânia e a Rússia trocam acusações sobre o ataque. Segundo a agência nuclear ucraniana, Energoatom, um bombardeamento russo atingiu uma linha de energia de alta voltagem na central. A administração russa na cidade de Enerhodar, citada pela agência TASS, diz, porém, que foi um ataque ucraniano que atingiu a central nuclear, provocando um incêndio e estragos em duas linhas de energia.