O Banco Português de Fomento já divulgou as 14 empresas de capital de risco selecionadas no Programa “Consolidar”, cuja dotação o ministro da Economia anunciou que seria duplicada para 500 milhões de euros. Esse é um programa através do qual o Banco de Fomento vai injetar capital em empresas que sejam escolhidas em conjunto com os parceiros privados – um programa que usa fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) – e serve para “apoiar a subscrição de fundos de capital de risco destinados a investimento em capitalização de PME e Mid Caps, impactadas pela pandemia de Covid-19, mas economicamente viáveis e com potencial de recuperação”.

Das 33 candidaturas, com intenções de investimento superiores a 1.300 milhões de euros, submetidas por Sociedades de Capital de Risco e Sociedades Gestoras de Capital de Risco (SCR), foram aprovadas 14 candidaturas, correspondendo a operações de investimento do Fundo de Capitalização e Resiliência (FdCR), diz o Banco de Fomento. Face à “enorme procura” que o programa suscitou, foi decidido duplicar para 500 milhões de euros o valor total. Com a contribuição dos privados, o investimento previsto supera os 750 milhões de euros.

As entidades selecionadas para as realizações de capital pelo BPF, através do FdCR, são:

  • ActiveCap;
  • CoRe Capital;
  • Crest Capital Partners;
  • Draycott;
  • ECS Capital;
  • Fortitude Capital;
  • Grosvenor;
  • Growth Partners;
  • HCapital Partners;
  • Horizon Equity Partners;
  • Inter-Risco;
  • Oxy Capital;
  • Portugal Ventures;
  • Touro Capital Partners.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.