O Chega retirou a confiança política ao vereador eleito para a Câmara Municipal de Sintra, Nuno Afonso, alegando que o autarca desrespeitou as indicações políticas ao viabilizar o orçamento municipal para 2023, anunciou esta quarta-feira o partido. Já o autarca, que já assumiu publicamente ser candidato à liderança do Chega “repudia veementemente” o comunicado da Comissão Distrital de Lisboa do partido que, diz, “tem como intenção única, denegrir a boa imagem e afastar aquele que se assumiu há dias como candidato à liderança do partido.”

“A Comissão Política Distrital de Lisboa enviará ainda hoje [quarta-feira] um ofício à Câmara Municipal de Sintra informando de que o senhor vereador Nuno Afonso deixa de representar, com efeitos imediatos, o partido Chega no órgão executivo daquele município”, informa a distrital de Lisboa Chega, num comunicado publicado nas redes sociais.

Já Nuno Afonso, rejeita ter viabilizado o orçamento municipal contra as indicações do partido. “Não é verdade que tenha viabilizado o Orçamento em causa, tal como também não tive conhecimento de quaisquer posições do partido”, diz acrescentando que a falha está do lado do Chega: “Acusam-me de ter aprovado o orçamento demonstrando total ignorância e incompetência ao não saber distinguir a aprovação de um orçamento, competência da Assembleia Municipal, e a viabilização da submissão do orçamento à Assembleia Municipal.”

“Este é um partido que não se guia por valores democráticos, que persegue os opositores pessoal e politicamente, como nunca antes se viu em Democracia no nosso país, um comportamento típico das ditaduras que existiram e existem por este mundo fora”, diz Nuno Afonso no comunicado.

O orçamento da Câmara de Sintra para 2023, no valor de 315 milhões de euros, foi aprovado na terça-feira com os votos favoráveis do PS (quatro vereadores mais o presidente), do vereador da CDU, a abstenção do vereador do Chega e os votos contra do PSD e do CDS-PP (quatro vereadores).

“O seu sentido de voto, à revelia das orientações do partido e da estratégia definida para o distrito, são claros atos de indisciplina partidária e não deixa outra alternativa, a esta Comissão Politica Distrital, senão a de retirar, de imediato, a confiança política ao senhor vereador Nuno Afonso”, lê-se na nota do Chega.

Nuno Afonso sobre a sua queda no Chega: “Quando há demasiada mediocridade tentam afastar-se os bons”

Nuno Afonso foi chefe de gabinete de André Ventura, enquanto deputado único do partido, na legislatura passada, tendo sido reconduzido no cargo no arranque da nova legislatura (em 29 de março deste ano). No entanto, viria a ser exonerado quase um mês depois (6 maio).

O autarca de Sintra foi também vice-presidente do partido, até ao III Congresso do Chega, que decorreu em Coimbra em maio do ano passado, assumindo agora as funções de vogal da direção nacional. Também não integrou as listas de candidatos a deputados nas legislativas de 30 de janeiro.

Corrente de críticos cresce no WhatsApp e sonha com Nuno Afonso. Como se prepara a oposição a Ventura no Chega?

Na altura, o dirigente assumiu o seu desconforto com a “queda” na hierarquia do partido e falou em “punhaladas”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR