Nicolò Zaniolo era o futuro do futebol italiano. Com a formação repartida entre o Génova e a Fiorentina, estreou-se na equipa principal do Virtus Entella, na Serie B, com apenas 17 anos. Saltou para o Inter Milão com o rótulo de promessa mas não chegou a representar os nerazzurri, assinando pela Roma em 2018. Mas nada correu como era suposto.

Zaniolo confirmou todo o potencial na temporada de estreia na capital italiana, registando seis golos ao longo de 36 jogos e conquistando a primeira internacionalização pela mão de Roberto Mancini. Com um entorno muito familiar, afastado dos agentes tornados celebridades e muito próximo dos pais, assumiu-se como um dos mais talentosos médios da nova geração e um box-to-box disruptivo — nem que fosse pelo facto de ser um playmaker com 1,90 metros de altura.

O dia em que os adeptos da Roma ganharam um filho pródigo e assumiram que têm um filho bastardo

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em janeiro de 2020, porém, surgiu o primeiro obstáculo. Numa receção à Juventus, Zaniolo rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito e falhou toda a segunda metade da temporada, regressando aos treinos em junho. Em setembro, contudo, voltou a sofrer uma lesão muito semelhante — perdendo toda a época 2020/21 e falhando desde logo o Campeonato da Europa que Itália acabaria por conquistar ao vencer Inglaterra na final de Wembley. Voltou aos treinos em julho de 2021, já com José Mourinho enquanto treinador, e parecia lançado para uma recuperação de forma, ritmo e consistência ao registar oito golos em 42 jogos na temporada passada.

Mas o regresso dos melhores dias dentro de campo trouxe o regresso dos problemas fora de campo. Tal como já tinha acontecido na sequência da positiva primeira temporada na Roma, Zaniolo começou a forçar uma saída dos giallorossi — abrindo uma cisão com o treinador, Mourinho, e com o diretor desportivo, o também português Tiago Pinto. Cisão essa que, nas últimas semanas, atingiu um ponto de retorno que deve fazer com que o médio italiano não volte a representar o clube da capital italiana.

A Roma e uma maldição cruzada que já leva 16 vítimas em seis anos e meio: Zaniolo só deve voltar em fevereiro

Segundo a Gazzetta dello Sport, o AC Milan está interessado em Zaniolo — como tem estado de forma contínua e persistente nos últimos anos — mas não pretende a contratação do jogador a título definitivo. Os rossoneri pretendem o empréstimo do jogador até ao fim da temporada e só abrem a porta a uma cláusula de compra obrigatória de 22 milhões de euros se o AC Milan conseguir o apuramento direto para a Liga dos Campeões. Um cenário que não agrada à Roma, que quer transferir definitivamente o médio que tem contrato até 2024, mas que é pretendido por Zaniolo e os que o representam.

Neste sentido, e com o objetivo de tornar insustentável a permanência na Roma e inevitável a saída para o AC Milan, o internacional italiano sabotou uma saída para o Bournemouth que parecia bem encaminhada. Segundo a imprensa transalpina, a Roma já tinha chegado a acordo com o clube inglês — transferência a título definitivo, valor fixo de 30 milhões de euros mais cinco em cláusulas variáveis e ainda 10% de uma futura mais-valia. Zaniolo, porém, não quis mudar-se para o 18.º classificado da Premier League. E exigiu um incomportável salário anual de seis milhões de euros, para além de uma cláusula de rescisão de 25 milhões em caso de despromoção ao Championship ou se surgisse uma proposta de um clube italiano.

A equipa de Maradona tem sucessora sem um 10: Nápoles vence Roma de Mourinho e fica com 13 pontos de avanço na Serie A

Pelo meio, falhou a visita ao Spezia e a deslocação a Nápoles, as duas últimas jornadas da Serie A. Entre os dois jogos, na antevisão da partida deste domingo contra os napolitanos, José Mourinho não escondeu o desagrado com a situação — e deixou praticamente certo que Zaniolo dificilmente voltará a representar a Roma, pelo menos até ao fim da presente temporada. “Parece que vai ficar. Há um mês que diz que quer ir embora. Depois do jogo com o Spezia dei um dia de folga e marquei um treino opcional. Todos os que não tinham jogado apareceram para trabalhar e são esses que queremos. Não quer vestir a nossa camisola. O que posso dizer hoje é que o Zaniolo não estará em Nápoles e que estou concentrado naqueles que estarão. Não é o caso dele”, atirou o treinador português.

Já depois da derrota com o Nápoles, graças a golos de Osimhen e Simeone, Mourinho foi ainda mais contundente. “Zaniolo? Hoje tivemos uma derrota muito difícil mas são estes os jogadores que quero, aqueles que querem jogar na Roma e que estão sempre disponíveis. Quanto não te sentes bem na família, tens de ir embora, tens de encontrar uma solução. Os que querem ficar, devem ficar na família”, acrescentou.

A postura de Zaniolo tem desagradado também aos adeptos, que na última madrugada espalharam várias tarjas pela cidade de Roma a insultar e a criticar o jogador. Um grupo de apoiantes terá mesmo circundado a casa do médio italiano, que se viu forçado a chamar a polícia para dispersar o conjunto de adeptos. Certo é que, com o mercado de inverno a fechar já de terça para quarta-feira, dificilmente a situação de Zaniolo ficará resolvida com uma solução que agrade a todos os lados da equação.