As galerias Marlborough vão encerrar no final de junho deste ano, deixando assim de representar mais artistas e de promover exposições, depois de 78 anos de atividade. A informação foi avançada esta quinta-feira pelo conselho de administração da Marlborough, que referiu, citado pelo Financial Times, que a decisão “depois de uma longa e ponderada análise”.

Com galerias em Madrid, Barcelona, Nova Iorque e Londres, a Marlborough chegou a representar a artista portuguesa Paula Rego, expondo várias das suas obras na galeria de Londres. Aliás, em 2017, exibiu uma série de 12 quadros criados em 2007 por Paula Rego, sobre o período em que a pintora sofreu uma grave depressão. Paula Rego deixou, no entanto, a galeria em 2020, quando foram divulgadas várias ações em tribunal contra a empresa.

Galeria britânica mostra esboços nunca vistos de Paula Rego

O futuro das instalações das várias galerias e das obras ainda expostas será revelado nos próximos meses, acrescenta ainda a administração da Marlborough. A primeira galeria abriu em 1946, em Londres, pelas mãos de Frank Lloyd e de Harry Fischer, seguindo-se a galeria de Nova Iorque e, mais tarde, as de Madrid e Barcelona.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR