Luís Montenegro garante que o “empenho” no apoio de António Costa para a presidência do Conselho Europeu “não advém apenas de ele ser português”. “É por ele ser um europeísta e por ser portador de valores de respeito pela paz, pela democracia e pela solidariedade política e económica”, afirmou esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas na chegada a Paris, na gare de Orly.

O primeiro-ministro português, que almoçou com Emmanuel Macron, Presidente francês, para discutir as relações bilaterais entre Portugal e França, diz que Costa, “na função específica de coordenador do Conselho Europeu tem a habilitação para construir as pontes que são necessárias entre os Estados-membros e até entre algumas sensibilidades político-partidárias diferentes”.

“Estamos fortemente empenhados e tive ocasião de intervir na minha família política e à mesa com todos os 27 Estados-membros, por isso estamos motivados e otimistas relativamente à possibilidade de António Costa vir a desempenhar nos próximos dois anos e meio a função de presidente do Conselho”, adicionou o líder do Governo da Aliança Democrática, que garante não confiar em “nenhum outro socialista na Europa” como confia no antigo primeiro-ministro.

Deixa ainda uma mensagem a quem “insiste em confundir” o seu apoio com a “conflitualidade política interna” e com o facto de ter sido líder da oposição de um governo de António Costa. Para Montenegro, os dois planos “não se confundem”. “Os portugueses e as portuguesas deram, nas eleições europeias, uma votação expressiva [ao PS e PSD] que representa 15 dos 21 mandatos no Parlamento Europeu”, recorda, para notar que “é do interesse do país e da Europa que possamos ter António Costa à frente do Conselho Europeu”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Já saiu o sexto e último episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui o primeiro episódio, aqui o segundo, aqui o terceiro, aqui o quarto episódio e aqui o quinto episódio.]

Montenegro manifesta novamente apoio a António Costa

“Temos muito orgulho nos nosso artistas e criadores”, diz primeiro-ministro na inauguração da obra de Vhils em Orly

Na chegada a Paris, Luís Montenegro participou na inauguração de um painel do artista plástico Vhils. “É um privilégio e uma honra muito grande, nesta primeira visita que faço na qualidade de primeiro-ministro, poder coincidir com o dia em que este espaço vai ser aberto e em que se vê a expressão da nossa capacidade criativa e da nossa cultura”, afirma, felicitando o artista pelo enorme painel feito de azulejos na estação de ligação (que o artista divulgou na sua página no Instagram) entre o aeroporto e a linha do metro de Orly.

“Temos muito orgulho nos nosso artistas e criadores”, reforça Montenegro, para logo recordar o jogo da Seleção Nacional desta terça-feira, na estreia de Portugal no Euro 2024. “Ainda ontem expressámos a nossa alma e a nossa capacidade de lidar com a adversidade”, considerou. Na rede social X, a página oficial do Governo assinalou a inauguração do mural “Strates Urbaines”, criado com mais de 11 mil azulejos tradicionais.

Sobre o almoço com Macron, assinala que haverá “ocasião de abordar todo o contexto das relações bilaterais multifacetadas”. “Portugal tem uma comunidade de mais de um milhão de portugueses aqui em França. Temos relações históricas, económicas e culturais que é importante desenvolver nesse quadro bilateral”, garante o líder do Executivo.