829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Nova temporada do Teatro LU.CA quer pôr os miúdos a descobrir Alexandre O’Neill

Até ao final do ano, o teatro municipal lisboeta, dedicado ao público infantil, vai mostrar peças de Raquel Castro, Joana Estrela e Nicolau, e um ciclo dedicado a Alexandre O’Neill.

O LU.CA – Teatro Luís de Camões, na Calçada da Ajuda, abriu portas em 2018 e é o único teatro municipal do país dedicado ao público infanto juvenil
i

O LU.CA – Teatro Luís de Camões, na Calçada da Ajuda, abriu portas em 2018 e é o único teatro municipal do país dedicado ao público infanto juvenil

ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

O LU.CA – Teatro Luís de Camões, na Calçada da Ajuda, abriu portas em 2018 e é o único teatro municipal do país dedicado ao público infanto juvenil

ANDRÉ DIAS NOBRE/OBSERVADOR

O LU.CA – Teatro Luís de Camões já levantou o véu da programação da temporada 2024/25. Até dezembro, o teatro na Calçada da Ajuda, em Lisboa, com programação vocacionada para o público mais jovem, vai estrear espetáculos de Joana Estrela, Nicolau e Raquel Castro, com novos olhares sobre histórias clássicas, além de um ciclo dedicado a Alexandre O’Neill no ano do centenário do nascimento do poeta, escritor e publicitário.

“Num tempo em que escrevemos mensagens tão rápidas e demoramos tão pouco tempo nos textos, nas palavras, achámos que era muito bom pegar num autor português e trazê-lo para o tempo de hoje e mostrar como era uma pessoa tão contemporânea”, justifica Susana Menezes, diretora artística do LU.CA, ao Observador.

Autor de “obra vasta e diversa, que se cruza connosco todos os dias sem que tenhamos noção disso”, “é dado no secundário muito en passant. Há muitas pessoas a conhecer mal a obra de Alexandre O’Neill. Vamos lembrar para não esquecer”, afirma a responsável. O ciclo arranca em novembro e inclui uma exposição, uma oficina e uma playlist, além da peça Um Poeta em Forma de Assim: visita guiada à cabeça de Alexandre O’Neill, de Malu Vilas Boas e Luís Leal Miranda, em cena de 8 a 24 de novembro, com sessões para escolas e famílias.

Outro dos destaques da programação revelada esta quarta-feira é o espetáculo TPC: Frei Luís de Sousaaa. Trata-se de uma encomenda do LU.CA à encenadora Raquel Castro sobre o texto dramático de Almeida Garrett estreado em 1843. “Fechados num quarto, um grupo de adolescentes junta-se para fazer um trabalho de casa sobre a peça, discutindo sobre o que os afasta e aproxima daquelas palavras escritas há mais de 180 anos”, lê-se na nota sobre o espetáculo, em cena de 10 a 27 de outubro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A ideia é “sair do espetáculo a conhecer a obra”, mas também questionar se “devemos ou não estudar a obra de Almeida Garret nos tempos de hoje”. Com várias sessões para escolas, “os professores podem ficar descansados porque vão sair daqui a saber a obra”, assegura a diretora artística do LU.CA, lembrando que “o teatro pode ser uma boa ferramenta para uma possível compreensão, mas também é mais do que isso”.

"TPC: Frei Luís de Sousaaa" parte do texto dramático de Almeida Garrett estreado em 1843. “Fechados num quarto, um grupo de adolescentes junta-se para fazer um trabalho de casa sobre a peça, discutindo sobre o que os afasta e aproxima daquelas palavras escritas há mais de 180 anos”, lê-se na nota sobre o espetáculo, em cena de 10 a 27 de outubro

Já em setembro (de 13 a 24), os ilustradores Joana Estrela e Nicolau estreiam-se numa criação que tem como ponto de partida a clássica história de Esopo sobre um rato do campo e um rato da cidade. Dois Ratos é uma peça “com desenhos, música e algumas minhocas”, antecipa a sinopse.

Ainda no primeiro mês da temporada, o LU.CA inicia uma nova série de leituras intitulada Não é ficção, a partir da leitura de livros “sobre temas e questões que importam abordar”. A primeira sessão parte do livro Deputados do Futuro, Olá!, de Isabel Minhós Martins e Carolina Celas, e vai contar com interpretação do ator Romeu Costa e música de Noiserv.

No final do outubro, o teatro municipal volta a transformar-se numa pista de dança com Baile Fantástico, recuperando a tradição de bailes nos teatros. É na noite do dia das bruxas que pais e crianças podem dançar embalados pela seleção musical da apresentadora e radialista Inês Lopes Gonçalves.

O LU.CA — Teatro Luís de Camõe, aberto desde 2018, é o único teatro municipal do país com uma programação dedicada ao público infanto juvenil. Susana Menezes sublinha que “o desafio é ser o único e manter uma programação contínua, relevante e de qualidade para estes públicos”. “Agora, como é que no futuro, para um teatro destas características, vamos conseguir crescer? Para onde vamos?”, questiona.

“Há uma enorme confiança do executivo que gere este equipamento, a EGEAC. Não há interferência, o que nos dá muito espaço para continuar este trabalho. Há um orçamento que é ajustado e isso dá-nos um contexto favorável”, nota. “É preciso não ter medo de arriscar e continuar com esse risco”, diz sobre a falta de projetos semelhantes noutros pontos do país, não escondendo que “seria bom se [o LU.CA] pudesse ser replicado a nível nacional”. Mais teatros dedicados ao público jovem, afirma, permitiriam “criar uma rede”.

Para o próximo ano, a diretora deste teatro antecipa ao Observador o desejo de aumentar a carreira dos espetáculos. “Há público, faz sentido”, diz, notando que muitas são as apresentações que se esgotam antes mesmo da estreia. Por isso mesmo, em 2026, o LU.CA vai dedicar o ano a “reposições em larga escala”, com espetáculos já estreados ou co-produzidos pelo LU.CA, com mais récitas do que é habitual. “Vamos voltar a lugares que reconhecemos que foram de clara competência e eficácia para crianças e jovens. Não se pode desperdiçar.”

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas